Afinal de contas, o que é reumatismo e o que a fisioterapia tem haver com isso? Reumatismo é o nome popular dado às doenças reumáticas, ...

Entendendo um pouco do reumatismo



Afinal de contas, o que é reumatismo e o que a fisioterapia tem haver com isso?

Reumatismo é o nome popular dado às doenças reumáticas, que são compostas por mais de cem doenças distintas que acometem o sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, articulações (“juntas”), cartilagens, músculos, fáscias, tendões e ligamentos. Além disso, essas doenças também podem comprometer diversos órgãos do corpo humano, como os rins, o coração, os pulmões e o intestino, assim como a pele.

As doenças reumáticas mais conhecidas são: osteoartrose, artrite reumatóide, osteoporose, gota, lúpus, febre reumática, fibromialgia, tendinite, bursite e diversas patologias que acometem a coluna vertebral.

Reumatismo não é uma “doença de velho”, pois pode ocorrer em qualquer idade, acometendo jovens, crianças e, inclusive, recém-nascidos.

Segundo estatísticas, 15 milhões de brasileiros apresentam algum tipo de doença reumática, o que pode gerar, além do sofrimento pessoal, reflexos na vida sócio-econômica do país, uma vez que estas doenças enquadram-se entre as principais causas de incapacidade física e de afastamento temporário ou definitivo do trabalho.

Quem tem alguma doença reumática pode apresentar dor e calor nas articulações, edema (“inchaço”), rigidez matinal (dificuldade para movimentar as articulações ao acordar de manhã), fraqueza muscular e, conforme a patologia, lesões de pele, dor de cabeça, queda de cabelo, fadiga, emagrecimento e febre.

As doenças reumáticas não são contagiosas e podem ser causadas ou agravadas por fatores genéticos, traumatismos, trabalho intenso, obesidade, sedentarismo, estresse, ansiedade, depressão e alterações climáticas.

Essas doenças devem ser tratadas para que o paciente possa ter uma melhor qualidade de vida, sem dores, sem o agravamento das lesões e sem maiores disfunções e deformidades articulares, que, por vezes, podem ser definitivas.

O tratamento das doenças reumáticas consiste na administração de drogas analgésicas e antiinflamatórias, de injeções locais de corticosteróides (infiltrações), de medicamentos próprios para o controle da doença e fisioterapia.

No tratamento das doenças reumáticas, a fisioterapia proporciona ao paciente uma reeducação física e funcional através do alívio da dor e da rigidez articular, da recuperação dos movimentos, do reforço e do relaxamento muscular, da prevenção ou tratamento das deformidades e, quando o paciente já apresentar seqüelas definitivas, auxilia na reabilitação profissional, desenvolvendo ao máximo o potencial residual existente, adaptando este paciente às novas condições de vida.

Todos esses benefícios podem ser obtidos por um programa de fisioterapia elaborado especificamente para tratar o paciente como um todo, levando-se em conta não somente o que o paciente está apresentando, mas também tentando-se atuar nas causas dos sintomas.

Para o tratamento de pacientes que apresentam essas doenças, o fisioterapeuta dispõe de uma variedade de recursos como, por exemplo, gelo, ultra-som, correntes elétricas, laser, massagens, mobilizações articulares, trações, alongamentos, técnicas para relaxamento e reforço muscular, assim como exercícios específicos para cada paciente.

Os pacientes ainda podem se beneficiar com o tratamento em piscina térmica, que é conhecido como hidroterapia ou fisioterapia aquática, onde são realizadas todas essas técnicas de mobilizações articulares, relaxamento e reforço muscular, com a vantagem de se estar em um meio que possibilita o alívio imediato de dores, proporcionando uma enorme sensação de bem estar e prazer.

Todo o tratamento com fisioterapia deve ser baseado em uma abordagem global, atendendo e assistindo o sujeito integralmente, com o objetivo de propiciar uma reabilitação mais completa e abrangente, em âmbito físico, psíquico, social e emocional, melhorando, significativamente, a qualidade de vida desses pacientes.

Autor(a): Dra. Patricia Martins

0 comentários:

As dores articulares são comuns e atingem milhões de pessoas, causando impotência funcional e dificuldade para se locomover. A artrose ou ...

As dores articulares atingem os praticantes de esporte e idosos



As dores articulares são comuns e atingem milhões de pessoas, causando impotência funcional e dificuldade para se locomover. A artrose ou osteoartrose ocorre com certa frequência em pessoas de meia-idade, idosos ou em praticantes de esportes que geram sobrecarga nas articulações. É o chamado "desgaste", mas sabe-se que ela é uma doença do conjunto, que envolve a cartilagem, revestimento articular, ligamentos e ossos.

Os quadros agudos inflamatórios dessas articulações, são conhecidos como osteoartrite ou apenas artrite, e tem mais relação com os quadros reumatológicos ou simplesmente sobrecarga articular e no decorrer da doença podem evoluir para uma artrose (desgaste).

CARACtERÍSTICAS E SINAIS

A artrose é caracterizada pelo colapso da cartilagem (o tecido que reveste as extremidades dos ossos entre as articulações), alterações ósseas, deterioração dos tendões e ligamentos, bem como vários graus de inflamação da sinóvia (revestimento articular) caracterizando-se como sinovite. Embora algumas das alterações articulares sejam irreversíveis, a maioria dos pacientes não precisam de cirurgia de substituição articular. Lentamente, como pode ocorrer nas mãos, os ossos afetados ficam maiores, podendo até gerar deformidades.
Dores nas articulações também podem atingir as mãos (Foto: Agência Getty Images)


CAUSAS

A doença ocorre quando a cartilagem articular é lesionada, muitas vezes por causa do estresse mecânico ou alterações bioquímicas, fazendo com que a superfície que recobre o osso afilem e exponham o osso. Pode ocorrer após ou como consequência de outros tipos de artrite, tais como a gota ou a artrite reumatóide. A osteoartrose tende a afetar articulações bastante utilizadas, tais como as mãos, coluna vertebral e as que suportam peso, como os quadris e joelhos.

Sintomas articulares:
- Dor e rigidez
- Inchaço
- Ruído com o movimento articular ou estalos
- Diminuição da função da articulação

Fatores de risco:
- Idade avançada
- História familiar
- Obesidade
- Lesão articular ou uso repetitivo (overuse) de articulações
- Deformidade da articulação, como exemplo: comprimento da perna desigual ou joelhos valgos

TRATAMENTO

Não existe um tratamento comprovado ainda que pode reverter danos da osteoatrose. O objetivo do tratamento é reduzir a dor e melhorar a função das articulações afetadas. Na maioria das vezes, isso é possível com uma mistura de meios físicos, terapia feita com medicametos e, por vezes, a cirurgia.
Uso repetitivo das articulações do joelho atinge os corredores (Foto: Getty Images)

Perda de peso e exercício físico são úteis. O excesso de peso coloca pressão sobre as articulações. Para cada 10kg de peso que você perde, pode reduzir a chance de desenvolver oesteoatrose do joelho em até 50%. O exercício pode melhorar sua força muscular, diminuir a dor e rigidez nas articulações e reduzir a chance de incapacidade.

Também são úteis dispositivos de apoio, tais como muletas ou bengala, que ajudam você a fazer as atividades diárias. Tudo, é claro, sem sobrecarregar a articulação. Fisioterapia ajuda no fortalecimento e em casos de dores na analgesia. Formas de tratamento medicamentosos incluem tópica, oral e injeções (inclusive infiltrações). Você pode aplicar tópicos diretamente na pele sobre as articulações afetadas.

Pacientes com dor mais grave podem precisar de medicamentos mais fortes, como drogas de prescrição. Injeções conjuntas com corticosteróides (às vezes chamado de injeções de cortisona), ou com uma forma de lubrificante chamado ácido hialurônico ou condroprotetores podem dar meses de alívio da dor e podem ajudar a atrasar a necessidade de uma cirurgia.

O tratamento cirúrgico torna-se uma opção para os casos mais graves. Isto inclui quando a articulação tem sérios danos ou quando o tratamento médico falha para aliviar a dor e você tem grande perda de função. A cirurgia pode envolver a artroscopia e a reparação da articulação feita através de pequenas incisões (cortes). Se o dano comum não pode ser reparado, você pode precisar de uma substituição da articulação (prótese)

DICAS

Não há cura para a osteoatrose, mas você pode controlar como isso afeta seu estilo de vida. Algumas dicas são:

- Adequar a posição e apoiar o seu pescoço e as costas quando estiver sentado, no trabalho ou dormindo.
- Ajuste os móveis na sua posição onde haja maior conforto e apoio (ergonomia)
- Evite movimentos repetidos da articulação
- Perder peso, se você estiver com sobrepeso ou obeso
- Fisioterapia ou terapia ocupacional para aprender os melhores exercícios preventivos
- Exercite-se todos os dia

0 comentários:

Conviver com dores nas costas sem tratamento pode prejudicar diferentes órgãos e funções motoras. Em geral, as dores na coluna tem relação...

Dor na coluna: veja como identificar o problema através dos sintomas



Conviver com dores nas costas sem tratamento pode prejudicar diferentes órgãos e funções motoras. Em geral, as dores na coluna tem relação com alterações nos discos intervertebrais, músculos, ligamentos e nervos, que podem ter início em diversas regiões do corpo. Incômodos nas pernas, nos braços e até aquela dor de cabeça persistente podem estar ligadas a problemas de coluna.

PSaber identificar o tipo de dor nas costas pode ajudar muito no diagnóstico e tratamento do problema. As dores nas costas tendem a seguir um padrão de acordo com o tipo. Dores musculares costumam dar sensação de peso, tensão e cansaço, que piora no final do dia. Já uma dor de origem neural provoca queimação, choque, fisgada e formigamento na região. A dor óssea pode ocorrer por uma ampla variedade de doenças, como a osteoporose, e pode prejudicar muito a qualidade de vida do paciente. Neste caso, ela provoca sensação de aperto, peso e fisgada, piorando com o esforço físico. A seguir, veja como identificar a dor na coluna através de sintomas que, nem sempre, começam na região das costas:

1
Dor de cabeça
Uuma dor de cabeça pode ter sua causa na coluna se ela for persistente ou aumentar com estresse emocional, esforço físico e ansiedade. Chamada de cefaleia cervicogênica, ela pode ser erroneamente diagnosticada como enxaqueca.

2
Pernas
O problema pode estar na coluna se os seus sapatos sempre ficam mais gastos em uma região e uma sola fica diferente da outra. Para ter certeza se a alteração da pisada está interferindo na postura, realizamos a barapodometria, um exame computadorizado capaz de diagnosticar a origem do problema. Solas gastas de formas diferentes podem indicar escoliose e até disfunções nos ossos da bacia.

3
Pescoço
A cervicalgia é uma dor que atinge a base do pescoço e pode ter relação com algum problema de coluna. Regular a altura da tela do computador e praticar atividades físicas estão entre as orientações para evitar este tipo de dor.

4
Ombros e braços
As dores de coluna podem irradiar para os braços, provocar alterações na cintura (um lado mais cavado quando comparado ao outro) e ombros em alturas diferentes. Carregar a bolsa pesada sempre no mesmo ombro pode piorar o quadro. O ideal é usar mochila, mas se você não abre mão da bolsa, escolha um modelo produzido em material leve, reveze os ombros, não carregue no antebraço e não exagere no conteúdo, que deve corresponder a, no máximo, 10% do seu peso corporal

0 comentários:

Assim como um carro, o corpo humano também tem uma mecânica. Para funcionar a todo vapor, ele deve estar bem alinhado. Se isso não acontece...

Quiropraxia: a terapia que cuida da sua coluna e alivia a dor de cabeça


Assim como um carro, o corpo humano também tem uma mecânica. Para funcionar a todo vapor, ele deve estar bem alinhado. Se isso não acontece, o corpo acende o sinal vermelho e as dores aparecem. "O papel da quiropraxia é justamente identificar problemas na coluna e resolver os sintomas do corpo causados por eles", explica o quiropraxista Luiz Heihati, da clínica Quirovida, de São Paulo. Saiba mais sobre esse tipo de tratamento:

O que é quiropraxia?

É um tratamento que detecta e corrige problemas na coluna vertebral. O quiropraxista usa as mãos para remover essas interferências por meio de ajustes na coluna, para que o corpo funcione de forma plena. A quiropraxia também atua de forma preventiva.

Pessoas de qualquer idade podem fazer esse tratamento?

Qualquer pessoa pode se tratar com a quiropraxia. O que muda é a técnica que será determinada pelo quiropraxista para cada paciente.

Quanto tempo leva para a recuperação?

Como cada corpo responde de uma forma, é impossível prever um tempo exato de recuperação. No entanto, uma única sessão pode trazer grandes resultados.

Como é feito o tratamento?

É realizado por meio de ajustes específicos na coluna, com o objetivo de corrigir os desvios e remover os obstáculos que dificultam a chegada dos estímulos nervosos a certas partes do corpo, como braços, pernas e órgãos.

Por que problemas na coluna provocam dor de cabeça?

As atividades cotidianas, os movimentos repetitivos e a postura incorreta podem fazer a coluna cervical (região do pescoço) perder seu alinhamento. Isso provoca uma interferência na raiz dos nervos, impedindo que eles transmitam os estímulos nervosos normalmente. Como alguns nervos que saem da cervical se comunicam enxaquecacom estruturas da cabeça, é ela quem sofre as consequências e emite, como aviso, o sinal de dor.

0 comentários:

Faça Fisioterapia