As doenças reumáticas, ao contrário do senso comum, não apresentam como sintomas apenas dores ósseas ou nas articulações, mas, também, em...

Doenças reumáticas apresentam sintomas que vão além das dores ósseas




As doenças reumáticas, ao contrário do senso comum, não apresentam como sintomas apenas dores ósseas ou nas articulações, mas, também, em outros órgãos, como rins, olhos, pulmões e pele.

O último dia 30 foi o Dia Nacional de Luta contra o Reumatismo. Presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia, Walber Vieira, lembra que reumatismo é um termo genérico. “É um termo impreciso que não dá o diagnóstico de nenhuma doença” esclarece.

As causas, os tratamentos e também as consequências das doenças reumáticas podem ser muito diferentes. Por isso, é essencial o diagnóstico preciso para a indicação dos procedimentos adequados.

As doenças reumáticas podem atingir pessoas de todas as idades. Um exemplo é a artrite reumatoide, comum a partir dos 35 anos de idade, mas “também acomete crianças, às vezes na mais tenra idade”, diz Walber Vieira.

De acordo com Vieira, a doença crônica, que pode levar uma pessoa a invalidez, se manifesta com dores articulares, leve inchaço nas pequenas e médias articulações, além de quadros de isquemia e fadiga.

Pediatra do Hospital Universitário de Brasília, Zeneide Alves, cita casos em que a manifestação da artrite juvenil, que é a artrite reumatoide que acomete crianças, pode, a princípio, ser manifestada por uma inflamação no olho, chamada uveite.

“Algumas crianças podem apresentar uveite e, posteriormente, exibir os sintomas e sinais de uma artrite crônica” explica.

Walber Vieira alerta que qualquer infecção pode funcionar como elemento desencadeante de uma doença reumática. ”O paciente está num stand by, num limbo, ainda não tem manifestação de uma enfermidade, e sofrer uma infecção severa, uma virose e, de repente, a doença reumática se instala e começam a aparecer os sintomas”, explica. Algumas doenças, como a fibromialgia, podem ser desencadeadas por quadros de stress e depressão.

Entre as doenças reumáticas, Vieira diz que a artrose é a mais comum. “Mais ou menos 70% das pessoas após os 60 anos têm sua artrose de estimação”, brinca.

“Artrose é uma doença que se caracteriza por desgaste da cartilagem articular, levando a fissurações e, com o tempo, perda da função das articulações“, explica Vieira.

Outra doença reumática muito comum é a osteoporose, que não apresenta sintomas até que haja uma complicação. “É uma perda de massa óssea que leva a pessoa a um risco de fratura maior. Às vezes um pequeno trauma pode ocasionar a fratura da área afetada” explica Walber Vieira.

Ter a primeira menstruação tardiamente e menopausa precoce, fumar, abusar de bebidas alcoólicas, ser sedentário e utilizar medicamentos que podem levar a descalcificação dos ossos são fatores de risco para a osteoporose e que servem de alerta para se tomar os devidos cuidados.

Para algumas das doenças reumáticas, como fibromialgia e artrose, exercícios físicos são muito importantes para afastar as crises. “Não se trata fibromialgia sem exercícios, artrose também não”, diz Vieira.

0 comentários:

Para que possamos deambular (andar) necessitamos de varias articulações, sendo uma de extrema importância funcional (articulação do quadri...

Reabilitação e Osteonecrose de Quadril.



Para que possamos deambular (andar) necessitamos de varias articulações, sendo uma de extrema importância funcional (articulação do quadril ou coxo femural) a qual funciona como um sistema de catraca juntamente com a articulação do joelho e tornozelo. Por ser uma articulação de carga, esta e comumente acometida por inúmeras doenças sejam elas congênitas (nascem com ela) ou adquiridas ao longo da vida (traumas, baixa imunidade, infecções virais, bacterianas, fratura de fêmur, atividades de alto impacto, sobrepeso e muitos outros. Uma vez o quadro degenerativo instalado o paciente apresenta vários sinais e sintomas clínicos como:
Dores espontânea, intermitentes que tendem a aumentar com os movimentos e diminuem com o repouso, com irradiação para glúteos, virilha e parte anterior da coxa.

Edemas (inchaço), calor, rubor (vermelhidão)

Crepitação articular (estalidos)

Limitação das amplitudes de movimentos articulares da cabeça do fêmur em relação à bacia ( fossa do acetábulo) principalmente durante a realização dos movimentos de elevação(flexão) e abertura(abdução) da perna.

Diminuição da acuidade proprioceptiva (percepção da imagem do próprio corpo) é como se não sentisse a perna obedecer aos comandos do cérebro.

Perda de massa muscular (hipotrofismo) perna fica mais fina e menor que a outra em alguns centímetros, espasmos e encurtamentos musculares generalizados.

Aparecimentos de dores na perna contralateral (por posturas viciosas que o paciente assume na tentativa de tirar o peso sobre o quadril acometido, inclinando o corpo para o outro lado, esta inclinação pode levar ao longo dos anos sérios desvios de coluna (como escolioses torácicas e ou lombares.

Formas de tratamento:

Medicamentoso- critério médico a base de analgésicos antiinflamatórios, e dependendo do grau da artrose, idade e condições de saúde geral do paciente podem optar pela realização de substituição por prótese (artroplastia de quadril).
Nutricional- todo paciente portador de doença degenerativa terá que manter o controle do peso, sendo este fator primordial para seu tratamento seja ele cirúrgico ou de fisioterapia, uma vez que o excesso de peso aumenta as forças assim como o peso na articulação, possibilitando que aumente ou acelere o processo de desgaste da cartilagem, aumentando assim as dores tanto articulares como musculares, sem falar da possibilidade que a o sobrepeso trás para o desenvolvimento de doenças em geral do aparelho circulatório também.

Funcional- diria que são um dos tratamentos de tal importância tantos como os outros citados, pois o que é uma articulação rígida sem movimento ou que este esteja muito diminuído, o que somos sem podermos nos movimentar de forma adequada, sem movimento não há trabalho, produção, vida, independência, dependemos dos nossos movimento para tudo que precisamos. Esta parte tara aos cuidados da fisioterapia motora, visando o melhor e máximo de funcionalidade do paciente, bem como a diminuição das sintomatologias que o paciente apresentar, que são muitos e de diferentes graus de intensidade de acometimentos. O tratamento e longo de anos, com uma rotina de fisioterapia de uma a duas vezes ou mais por semana, para atuar de forma a prevenir ou atenuar as deformidades (postural e funcional), manter a força muscular em todo o membro inferior (com exercício de força, isométrico e ou isotônico), manter e ganhar amplitude de movimento articular (movimentação da cabeça do fêmur em relação à bacia (através de mobilizações, alongamentos manuais e mecânicos), dar ao paciente o máximo de funcionalidade possível, mantendo o equilíbrio, o comprimento das pernas, e muitas outras perdas ou alterações que podem surgir com a evolução da doença.

Técnicas de fisioterapia que se utilizam para tratamento das perdas motoras que acontecem em caso de osteonecrose. Deixo claro que são muitas, mas o uso das mesmas será escolhido a critério do seu fisioterapeuta, depois de uma avaliação físico funcional, porque uma mesma técnica ou método pode surtir efeitos diferentes variando de paciente para paciente, é por isso que as técnicas só devem ser escolhidas, prescritas e executadas por profissionais de reabilitação (fisioterapeutas), e nem outro profissional pode prescrever e muito menos realizá-las.

Técnicas que se utilizam no dia a dia de acordo com os achados da avaliação.

Terapias manuais como- massoterapia que e diferente de massagem.
RPG-(Reeducação Postural Global)
Exercícios de fortalecimento muscular
Exercícios de equilíbrio
Cinesioterapia
Alongamentos manuais, mecânicos, auto-alongamento

Pilates e em grande escala a hidroterapia em piscinas aquecidas, sendo que os efeitos são térmicos, mecânicos e psíquicos. Um corpo submerso terá a diminuição da ação da gravidade, essa perde sua ação na água, o corpo tem a sensação de diminuição do seu peso a as articulações sofrem menor descarga, facilitando a realização dos exercícios com uma menor força de atrito e coaptação na articulação e menos dor se comparado com exercícios feitos em solo.

Um corpo submerso em água aquecida terá um maior e melhor relaxamento muscular em função da estimulação térmica ocasionando a diminuição da rigidez tecidual e analgesias, permitindo a realização de movimentos com maior facilidade e menor percepção da dor, sem falar da pressão hidrostática que permite a melhora do fluxo sanguíneo, linfático e aumenta o metabolismo articular, reduzindo o edema e a rigidez.


Dr. Alexandre Marques - (Fisioterapeuta) Crefito4 Nº/118.170f

Contato:

E-mail: alexandremarquesft@yahoo.com.br Cel. (x32)9922-5915 Trab. (x32)3251-6855

0 comentários:

Uma doença reumática crónica (DRC) na criança ou no adolescente pode ser uma surpresa para o próprio e para todos os que directamente com ...

Doenças Reumáticas Infantis e Juvenis



Uma doença reumática crónica (DRC) na criança ou no adolescente pode ser uma surpresa para o próprio e para todos os que directamente com ele contactam (pais, familiares, amigos e professores).

Dúvidas iniciais

Diversas questões poderão ser colocadas:
porquê uma criança com Doença Reumática Crónica ?
será isto possível nos mais jovens ?
porquê no meu filho ?
os irmãos também vão ter a mesma doença ?
o meu aluno tem uma Doença Reumática Crónica !?
o médico não estará enganado ?
não serão dores de crescimento? Carreque aqui para mais informação
existem exames que possam confirmar a doença ?

Estas são habitualmente as primeiras dúvidas que assaltam os pais, familiares, amigos e professores de crianças com DRC, das quais as artrites idiopáticas juvenis são as mais frequentes.

Em qualquer país do Mundo, cerca de 1 em cada 1.000 crianças sofre de DRC, que poderá ter início em qualquer idade, mesmo no 1º ano de vida, contrariamente a noções difundidas que as atribuem exclusivamente aos idosos.

Na maioria dos casos não são conhecidas as causas que levam ao aparecimento destas doenças, e a razão de apenas algumas crianças serem afectadas e outras não. Embora exista uma certa predisposição familiar em algumas destas doenças, é excepcional a ocorrência de outros casos nos irmãos.

As DRC são numerosas e apresentam-se de formas muito diversas: febre, manchas na pele, desinteresse pela brincadeira para além das manifestações articulares (que podem não estar presentes durante os primeiros meses da doença).

São poucas as DRC em que os exames (análises, radiografias, TAC, ressonância nuclear magnética) permitem fazer o diagnóstico. Na grande maioria dos casos este é feito pelo interrogatório e observação cuidadosos da criança, e sem necessidade de recurso a exames sofisticados.

Para a confirmação do diagnóstico é por vezes necessário aguardar alguns meses.
As DRC têm tratamento ?
têm cura ?

Apesar da evolução poder ser imprevisível, e não existam certezas quanto à cura de algumas destas doenças, poderão utilizar-se várias opções de tratamentos eficazes. Dum modo geral poderá dizer-se que, quando bem tratadas, cerca de 50% das crianças com DRC atingirão a idade adulta sem limitações articulares significativas ou mesmo curadas.

0 comentários:

O termo “artrite” está ligado a um grupo de mais de 100 doenças reumáticas, que afetam mais de 350 milhões de pessoas no mundo, sendo a os...

Fisioterapia no tratamento da Artrite com raio laser



O termo “artrite” está ligado a um grupo de mais de 100 doenças reumáticas, que afetam mais de 350 milhões de pessoas no mundo, sendo a osteoartrite a mais comum das artrites. Conforme Dr Gerson Birk 70% das pessoas com mais de 70 anos tem sinais dessa doença degenerativa causada pelo uso e desgaste das articulações. Outra doença reumática com grande incidência é a artrite reumatóide (AR) que é uma doença auto-imune de etiologia desconhecida, que leva à deformidade das articulações. Segundo o fisioterapeuta Dr Gerson Birk, que é pós-graduado em fisioterapia ortopédica e traumatológica, o início da doença ocorre, habitualmente, entre os 20 e 60 anos de idade, com maior incidência em torno dos 45 anos, comprometendo a qualidade de vida . A Artrite é mais freqüente em mulheres, dados recentes envolvendo populações do Brasil e da América Latina demonstraram freqüência de um homem para cada seis mulheres.

Os sinais e sintomas são dor, rigidez matinal,perda da mobilidade, redução da força muscular e fadiga . Artrite pode ocorrer em todas as articulações sinoviais, sendo mais freqüentes em ombros, cotovelos, punhos, mãos, quadris, joelhos, tornozelos e nos pés. A novidade no tratamento da artrite é o uso de aparelhos de alta tecnologia como o raio laser de baixa potência que tem sido usado na artrite reumatóide, osteoartrite e outras doenças reumáticas, Conforme Dr Gerson Birk, que é membro da associação mundial de Raio Laser , O tratamento com o laser visa promover a regeneração dos tecidos, reduzir a inflamação e aliviar a dor. A potência usada nesses casos é de até 500mW, com o comprimento de onda de espectro infravermelho próximo de 900 a 1000nm. o raio laser de baixa potência tem efeitos favoráveis sobre os sintomas clínicos, melhorando a qualidade de vida das pessoas. Recentes pesquisas científicas têm concluído que o laser de baixa potência é considerado eficaz no tratamento de curto prazo no alívio da dor e rigidez matinal em pacientes com artrite.O laser usado no tratamento fisioterápico difere dos demais por ser de baixa potência e têm finalidade exclusivamente terapêutica, regenerando os tecidos através de aplicações que não causam desconforto nem dor ao paciente.

principais efeitos do laser no tratamento da artrite

Efeito Analgésico: Que reduz a dor, estimulando a produção de endorfinas, que atuam como inibidores da sensação dolorosa, atuando também sobre as fibras nervosas grossas (táteis), que estimuladas pelo raio laser provocam um bloqueio das fibras finas (dolorosas).

Efeito Cicatrizante: Aumenta a produção de fibroblastos e fibras de colágeno, acelerando, assim a cicatrização.

Efeito antiinflamatório: Acelera o processo de cura. Inclusive inflamações agudas podem ser tratadas com laser.

Efeito anti-edematoso: Diminui rapidamente o inchaço melhorando a mobilidade.

palavras chaves, raio Laser , Artrite, fisioterapia, reumatismo, osteoartrite

Autor(a): Dr Gerson Birk - fisioterapeuta

0 comentários:

Faça Fisioterapia