A coreia de Sydenham (CS) trata-se da principal manifestação neurológica da febre reumática, que se caracteriza por movimentos repentin...

Você sabe o que é a coreia de Sydenham?




Antes de ler esse post, inscreva-se na newsletter e receba notícias da Fisioterapia no seu email. Clique aqui

http://medicinaemcasa.com/wp-content/uploads/2014/09/doenca-de-huntington-8-556x400.jpg


A coreia de Sydenham (CS) trata-se da principal manifestação neurológica da febre reumática, que se caracteriza por movimentos repentinos, involuntários, arrítmicos, clônicos e sem objetivo.

A incidência desta desordem é maior em crianças e adolescentes, sendo duas vezes maior em meninas do que em meninos. Estima-se que a CS ocorra em cerca de 30% dos casos de febre reumática.

Os movimentos espasmódios incontroláveis, característicos da CS, são consequentes de lesões que comprometem os núcleos da base no sistema nervoso e suas conexões com a área límbica, tálamo e lobo frontal. Esses movimentos são rápidos, sem propósito, irregulares, afetando a face e/ou tronco, normalmente em associação com hipotonia e fraqueza muscular. Apresenta evolução auto-limitada, podendo durar de uma semana a dois anos, sendo comum que a condição reincida.

Há pouco tempo, a CS foi relacionada à presença do transtorno obsessivo-compulsivo (TOC). Foram feitas sugestões de que o tique pós-coréico, a coprolalia e o comportamento impulsivo sejam consequentes da CS.

Não existem exames laboratoriais que confirmam a presença de CS. Desta forma, o diagnóstico é essencialmente clínico. Uma vez que a CS inicia-se entre 1 a 6 meses após a infecção estreptocócica (responsável pela febre reumática), os testes para identificar esta infecção quase nunca são positivos.

O tratamento é farmacológico, podendo utilizar três categorias de fármacos:

  • Medicamentos que objetivam depletar ou antagonizar a dopamina em núcleos de base, como o haloperidol, o pimozide, a clorpromazida, a carbamazepina, entre outros;
  • Medicamentos que atuam especialmente elevando os níveis de ácido gama-amino-butírico (GABA) em núcleos de base, como o ácido valpróico;
  • Medicamentos que agem diminuindo a concentração de auto-anticorpos circulantes, levando à diminuição do processo inflamatório vascular nos núcleos de base, como imunoglobulina, plasmaferese e prednisona.

Uma vez que esta desordem apresenta caráter auto-limitando, o prognóstico é favorável, havendo remissão completa dos sintomas dentro de, no máximo, 6 meses, entre 40% a 50% dos casos. Contudo, pode haver persistência da CS, de branda a moderada por até 2 anos.

Fonte

Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Indicação de Cursos de FISIOTERAPIA para mudar sua carreira:

Poste um Comentário

0 comentários:

Faça Fisioterapia