Lombociatalgia - dor no ciático - Sintomas,Tratamento









A lombociatalgia é um dos tipos de dores mais comuns na pratica médica, ocorrendo quando há uma compressão nervosa na região lombar (L3, L4, L5 e S1).

É um tipo de dor em que há irradiação para outras localidades. Geralmente inicia-se em região lombar, irradiando para nádega, face posterior da coxa e podendo chegar ao pé.

Causas:

Dentre as causas que predispõem o aparecimento da doença, temos:

- Osteofitose (Bico de Papagaio)

- Doenças degenerativas

- Instabilidade Vertebral

- Traumas

- Tumores (massa comprimindo inervação)

- Hérnia discal*

* A hérnia de disco mais comum é a ocorrida entre as vértebras L5 e S1, sendo, por sua vez, a principal causa das lombociatalgias.

Fatores de Risco:

- Obesidade

- Hábito de fumar

- Realização de trabalhos pesados

- Fatores genéticos

- Hábitos posturais

Sinais e Sintomas:

O que caracteriza a lombociatalgia é a irradiação da dor para as nádegas e face posterior da coxa, podendo alcançar até o pé. A intensidade da dor é variável, desde uma sensação de desconforto até uma dor lancinante e a movimentação da coluna agrava a dor.

A dor pode ser do tipo aguda ou crônica. No primeiro caso ela surge durante a realização de um determinado movimento, como, por exemplo, levantar um peso, enquanto que no segundo caso, vai surgindo gradualmente. Outra característica comum desta patologia é a rigidez matinal, melhorando ao passo que o indivíduo se movimenta. Até movimentos mínimos, como espirrar e tossir gera dor.

Além da dor supracitada, o paciente pode apresentar:

- Hipotonia (diminuição do tônus muscular)

- Arco de movimento incompleto

- Parestesia (formigamento)

Diagnóstico:

O diagnóstico é predominantemente clinico, baseando-se sempre na história do paciente e associando a ela um exame físico completo. A manobra de Valsalva deve ser realizada, uma vez que na compressão radicular a manobra provoca exacerbação da dor ou irradiação dela até o pé.

Um raio-x, entretanto, pode vir a ser útil para detectar o fator predisponente da dor, como estreitamento de espaço intervertebral, escoliose, hiperlordose lombar, dentre outra causas.

Tratamento:

O tratamento visa abolir ou diminuir a dor, normalizar tensão muscular, aumentar ou manter arco de movimento, abolir parestesia e normalizar a marcha. Para isso existem duas vias de tratamento: O conservador e o cirúrgico.

O conservador consiste em uma associação conjunta entre medicação e repouso. Apesar de parecer pouco eficaz, o repouso é extremamente importante para a recuperação de um paciente com lombociatalgia, respeitando, entretanto, a resalva de que este não poderá ser muito prolongado, pois o repouso em excesso pode causar efeitos negativos sobre o aparelho locomotor. Assim que a atividade e a deambulação forem possíveis, o tempo de repouso pode ser encurtado e o paciente deve ser estimulado a retornar às suas atividades habituais o mais rapidamente possível.

Na questão medicamentosa, a classe mais utilizada são os antiinflamatorios não-esteroidais (AINE’s), entretanto devem ser utilizados com cautela em pacientes de risco como idosos e portadores de úlceras pépticas.

O tratamento de eleição das lombociatalgias é sempre o conservador. Todavia, quando a resposta a este não é satisfatória, podem ser realizados alguns procedimentos invasivos. Esses tratamentos cirúrgicos buscam aliviar a compressão causadora da dor, sempre respeitando suas devidas indicações.

É importante lembrar que a cura não vem apenas com o tratamento. Após seu termino, o paciente comumente necessita de reabilitação. A fisioterapia é altamente indicada a esse grupo para restabelecer o padrão natural da musculatura afetada, assim como orientar a manutenção da forma sadia de sua estrutura vertebral.
Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Nenhum comentário

    Tecnologia do Blogger.