Influência dos recursos manuais em Doenças Reumáticas


>





http://www.tocadacotia.com/wp-content/gallery/tendinite-tratamento-fisioterapia/tendinite-tratamento-fisioterapia-10.jpg

O termo reumatismo, embora consagrado, não é um termo adequado para denominar um grande número de diferentes doenças que tem em comum o comprometimento do sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, cartilagem, estruturas peri-articulares (localizadas próximas às articulações, tendões, ligamentos, fáscias, etc) e/ou de músculos.

Ao contrário do que ocorre com doenças cardíacas, neurológicas ou gastrintestinais, que podem ser definidas como doenças que acometem determinado órgão ou sistema, o conceito de que as doenças reumáticas são as doenças que acometem o sistema osteo-articular nem sempre é correto, pois, muitos pacientes com doenças reumáticas podem não apresentar queixas articulares, ósseas ou comprometimento de tecidos peri-articulares, mais sim de órgãos diversos, como rins, coração, pulmões, pele e etc.

A massoterapia alivia dores musculares e estimula a circulação sangüínea. Além disso, a massagem auxilia o sistema linfático, o que ajudaria a eliminar os resíduos metabólicos no corpo. A drenagem linfática utiliza a massagem para esvaziar os líquidos e resíduos metabólicos e estimular a circulação linfática.

A massagem como terapia de reabilitação tem sua aplicação bastante conhecida por causa do futebol, onde quase todos os times contam com um massagista para auxiliar na recuperação muscular e ajudar na reabilitação em alguns casos de lesões. Massoterapia ainda tem aplicação na prevenção de distensões e lesões, que podem acontecer por causa excesso de tensão. Por esse efeitos é que a massoterapia é uma ferramenta muito boa no tratamento de doenças reumáticas.

1. Classificação das Doenças Reumáticas

Apenas didaticamente, poderemos classificar as doenças reumáticas, de acordo com os mecanismos de lesão ou localização preferencial da doença em:


1.1. Doenças Difusas do Tecido Conjuntivo

Doenças que cursam com inflamação do tecido conjuntivo e que estão relacionadas aos distúrbios do sistema imunológico, que passam a reagir contra uma célula, tecido ou outro antígeno do próprio organismo:

a) Lúpus Eritematoso Sistêmico;

b) Artrite Reumatóide;

c) Esclerose Sistêmica;

d) Doença Muscular Inflamatória (Polimiosite e Dermatomiosite);

e) Síndrome de Sjögren;

f) Policondrite Recidivante;

g) Doença Mista do Tecido Conjuntivo (Doença de Sharp);

h) Síndrome do Anticorpo Antifosfolípide;


1.2. Vasculites Sistêmicas

a) Arterite De Takayasu;

b) Granulomatose de Wegener;

c) Arterite Temporal;

d) Doença de Behçet;


1.3. Espondiloartropatias

Doença inflamatória da coluna vertebral podendo ou não causar artrite em articulações periféricas e inflamação em outros órgãos como o olho.

a) Espondilite Anquilosante;

b) Síndrome de Reiter;

c) Espondiloartropatia da Psoríase;

d) Espondiloartropatia das Doenças Inflamatórias Intestinais;

e) Espondiloartropatias Reativas;


1.4. Doenças Osteometabólicas

Doença que afetam principalmente os ossos.

a) Osteoporose;

b) Osteomalácea;

c) Doença de Paget;

d) Hiperparatiroidismo;


1.5. Doenças Articulares Degenerativas

Doenças degenerativas que afetam as articulações.

a) Osteoartrose Primária;

b) Osteoartrose Secundária (secundária a acromegalia, fraturas, má formação da articulação e ossos, etc.);


1.6. Artropatias Microcristalinas

Doenças articulares causadas por microcristais.

a) Gota;

b) Condrocalcinose;

c) Artrite por hidroxiapatita;

d) Artrite por outros microcristais;


1.7. Artropatias Reativas

Doenças reumáticas associadas a processos infecciosos.

a) Artrites Infecciosas (infecção dentro da articulação);

b) Osteomielite (infecção no osso);

c) Artrite Reativa (artrite secundária a processo infeccioso localizado em outros locais Ex: Chlamídia, Viroses, Amidalite e etc);

d) Febre Reumática;

e) Doença de Lyme;


1.8. Reumatismos Estra-Articulares

Doenças que acometem estruturas próximas às articulações, mas não afetam a articulação propriamente dita.

a) Fibromialgia;

b) Dor Miofascial ;

c) Tendinites (de ombro, de extensores e flexores dos dedos, etc);

d) Bursites (do ombro, do trocanter, etc);

e) Esporões do calcâneo;

f) Fasceíte Plantar;

g) Epicondilite;


1.9. ARTRITES INTERMITENTES


a) Febre Familiar do Mediterrâneo;

b) Reumatismo Palindrômico;

c) Hidrartrose Intermitente;


1.10. Artropatias Secundárias a outras Doenças não Reumáticas

Queixas osteo-articulares que podem ocorrer na evolução de outras doenças.

a) Diabetes mellitus;

b) Hipotiroidismo;

c) Hiperteiroidismo;

d) Tumores (ósseos, articulares, tecidos peri-articulares)

As causas, tratamentos e conseqüências das diversas doenças reumáticas podem ser muito diferentes, razão pelo qual se torna importante saber qual a doença de cada paciente, ao invés de simplesmente classificar como tendo uma doença reumática.

Os termos "reumatismo" ou "doença reumática", na realidade, nada significam, pois não são diagnósticos. O médico deve procurar identificar qual doença que cada paciente tem.

Quando alguém diz que tem artrite significa apenas que tem inflamação da articulação, que pode ser evidenciado por dor, edema (inchaço) e calor na junta. A artrite é uma manifestação comum à maioria das doenças reumáticas que comprometem as articulações. Portanto, artrite não é um diagnóstico. O paciente deve procurar saber o diagnóstico exato de sua doença e não se satisfazer com o diagnóstico de "reumatismo", "doença reumática" ou de "artrite".

Muitas dessas doenças são de evolução crônica e necessitam tratamento prolongado, mas a evolução e o prognóstico são muito variáveis, de doença para doença e de paciente para paciente, assim ao contrário do que se diz popularmente não é uma "doença de velho", mas sim pode também acontecer em qualquer idade, inclusive em crianças recém-nascidas. Como o tratamento dependerá do tipo de doença e do paciente em si, o diagnóstico correto e o tratamento adequado é fundamental, para um prognóstico mais favorável.

As doenças reumáticas não são contagiosas e podem ser causadas ou agravadas por fatores genéticos, traumatismos, trabalho intenso, obesidade, sedentarismo, estresse, ansiedade, depressão e alterações climáticas.


2. Sintomas


Em geral há muita dor local ou generalizada, com inflamação e incapacitação física, temporária ou progressiva. Quem tem alguma doença reumática pode apresentar:

1)    Dor e calor nas articulações,

2)    Edema ("inchaço"),

3)    Rigidez matinal (dificuldade para movimentar as articulações ao acordar de manhã),

4)    Fraqueza muscular e, conforme a patologia, lesões de pele, dor de cabeça, queda de cabelo, fadiga, emagrecimento e febre


3. Tratamento


O tratamento das doenças reumáticas visa à prevenção das deformidades e a recuperação funcional, através do controle da inflamação e da degeneração articular.
Os principais objetivos do tratamento para as doenças reumáticas são:

* Diminuição da dor

* Relaxamento muscular

* Aumento da amplitude de movimento articular

* Aumento da força e resistência muscular

* Prevenção das deformidades

* Recuperação das atividades funcionais


4. Histórico da Massoterapia

Em 1952, Gertrude Beard (1887-1971) escreveu que massagem "é o termo usado para designar certas manipulações dos tecidos moles do corpo; estas manipulações são efetuadas com maior eficiência com as mãos e são administradas com a finalidade de produzir efeitos sobre os sistemas nervoso, muscular e respiratório e sobre a circulação sangüínea e linfática local e sistêmica".

A massagem tem sido usada nas técnicas de cura do Oriente há milhares de anos. Porém é impossível precisar onde e como surgiu a prática da Massoterapia, uma vez que os registros são muito antigos e oriundos de civilizações e culturas diversas Nas pinturas murais, na arte tumular, na cerâmica, em xilografias e desenhos ficou o registro do uso das técnicas de massagem na China, Japão, Egito Antigo e Pérsia (Irã) há mais de 5.000 anos. Os sacerdotes egípcios recebiam massagens após seus banhos, com aplicação de óleos aromáticos, na China, o livro mais antigo do qual se tem conhecimento chama-se Clássico da massagem de Qi Bo e do imperador Amarelo, datado de 300 a.C. Seus exemplares não resistiram ao tempo, e a obra mais antiga que chegou aos nossos dias é Han Quan Shu (O livro de massagem da dinastia Han). Escrito aproximadamente em 150 d.C., é composto de dez volumes.

No Ocidente, a massagem era utilizada nas medicinas grega e romana – até mesmo Hipócrates, o "pai da medicina", recomendava "esfregar" para ajudar o corpo. Gregos e romanos eram adeptos da massagem para relaxamento e prevenção de doenças. O uso clínico da massagem desapareceu dos países europeus durante a Idade Média, por considerarem o toque no corpo como pecaminoso e se esquecendo do trabalho terapêutico.

E só no século XVI ressurgiu no ocidente – inicialmente na França, Suécia e Holanda, quando o cirurgião francês Ambroise Paré começou a incentivar o retorno de sua prática. Em 1968, o médico holandês desenvolveu algumas técnicas, baseando-se nos então recentes conhecimentos da fisiologia, ciência emergente na época. Desde então, a massagem começou a ser conhecida e aceita como método terapêutico nos meios acadêmicos. Contudo, foi na Suécia que o método ganhou um impulso mais forte, dando origem à atual escola de massagem sueca e a todas as outras escolas espalhadas por todo o mundo.

Com a imigração no inicio do século XX dos orientais para o Brasil, vieram muitos Práticos e Médicos que introduziram na sociedade brasileira as Técnicas de Massagem como instrumental terapêutico.

A partir de 1978 a mídia impressa nacional começou a divulgar anúncios das "famosas casas de massagem for man", em 1979 o consagrado massagista Mário Américo foi preso por exercício ilegal da Medicina acusado de receitar medicamentos. Com o aumento da procura pôr Profissionais cada vez mais qualificados, houve a necessidade de aperfeiçoamento do Profissional Massagista e, após várias reuniões o estudioso profissional de Massagem Professor Wilson Correa De Moura, que então militava no Distrito Federal, decidiu abraçar a bandeira da promoção, defesa, valorização e dignificação dos verdadeiros profissionais de massagem no Brasil e, depois de vários contatos com colegas da área, médicos e autoridades da área de saúde, decidiu adaptar o termo "masoterapia" da língua Espanhola, traduzindo para a língua Portuguesa com a palavra massoterapia.


5. Fundamentos Técnicos da Massagem

A administração da massagem é um processo essencialmente mecânico e seus efeitos variam de acordo com certas peculiaridades técnicas.

A massagem pode ser executada tanto com as mãos – o método mais recomendável – como por intermédio de aparelhos vibradores.

Embora a massagem constitua um recurso físico de tratamento, seus efeitos mais importantes são geralmente obtidos a partir de fenômenos reflexos que é capaz de desencadear.

Sabe-se que qualquer excitação, atuando sobre o organismo, pode determinar uma resposta reflexa motora ou visceral.

O reflexo motor se traduz pelo movimento ou pela contração muscular, deslocamento de um segmento corporal ou até mesmo de todo o corpo.

O reflexo visceral evidencia-se por uma modificação funcional, imediata ou mediata. Assim, a excitação cutânea provocada pela mensagem pode atuar sobre as estruturas nervosas e determinar alterações sobre músculos esqueléticos e lisos, sobre os vasos superficiais e profundos, sobre as vísceras. Mas, é preciso ressaltar que os efeitos gerais produzidos pelas manobras de massagem, variam de acordo com o ritmo, intensidade, progressão e velocidade.

Pode-se afirmar baseado na observação e na experiência, que as manobras de massagem lentas possuem efeito calmante, analgésico e antiespasmódico, enquanto as manobras rápidas determinam efeito estimulante, circulatório, circulatório e desintoxicante.


6. Indicações da Massosterapia

Todas as técnicas e métodos utilizados pela Massoterapia se destinam àqueles que necessitam do toque direto no corpo e/ ou da massagem, para manter o estado de equilíbrio. O toque utilizado pela Massoterapia pode ser mais profundo ou mais sutil, de acordo com o objetivo da especialidade, tal como atuar na estrutura mecânica do corpo, estimular ou sedar algum estado energético e/ou fisiológico, conduzir a autoconsciência ou trabalhar campos energéticos.

1 - Indicação higiênica: manter e promover a saúde, prevenir desequilíbrios, contribuir na promoção do bem estar e da melhor qualidade de vida.

2 - Indicação complementar: usada como técnica completar a outros recursos fisioterpaeuticos.


7. Ação da Massoterapia


As ações primárias da massoterapia são:

1 - maximizar a circulação da energia vital pelo corpo

2 - estimular a circulação de uma forma geral

3 - auxiliar no combate de dores

4 - contribuir para a organização do tônus muscular

5 - contribuir para a normalização das funções fisiológicas

6 - auxiliar na administração das tensões e do estresse


8. Efeitos da Massagem


8.1. Efeitos Macânicos

Os movimentos de compressão, tração, estiramento, pressão e fricção exercem efeitos mecânicos nos tecidos. As forças mecânicas associadas a cada técnica afetam os tecidos de diversas formas.

O efeito principal da massagem consiste em produzir estimulação mecânica dos tecidos por meio de uma pressão e estiramento ritmicamente aplicados.

A pressão comprime os tecidos moles e distorce as redes de receptores nas terminações nervosas. O estiramento aplica tensão nos tecidos moles e distorce os plexos dos receptores nas terminações nervosas. Ao aumentar os lumens dos vasos sangüíneos e espaços dos vasos linfáticos, estas duas forças afetam a circulação capilar, venosa, arterial e linfática.

A massagem produz estimulação mecânica nos tecidos, por aplicação rítmica de pressão e estiramento. A pressão comprime os tecidos moles e estimula as redes de receptores nervosos; o estiramento aplica tensão sobre os tecidos moles e também estimula as terminações nervosas receptoras.

Na pele pode-se observar hiperemia e aumento da temperatura em torno de 1 a 3°C devido à vasodilatação, além da esfoliação de células mortas. Além disso, a massagem pode auxiliar na cicatrização tecidual com o objetivo de prevenir a formação de aderências.


8.1.1 Manobras

As manobras de deslizamento superficial a profundo bem como a fricção produzem dois efeitos:

1)    Produzem um "esgotamento" nas terminações nervosas livres responsáveis pela percepção de dor, fazendo com elas deixem de sinalizar e dessa forma o estímulo de dor deixa de ser enviado ao SNC;

2)    O deslizamento superficial e a fricção estimulam receptores táteis que atuam no mecanismo de controle das comportas, produzindo assim um efeito analgésico.

8.1.2 Movimentos de:

•    linfa;

•    sangue venoso;

•    secreções pulmonares;

•    edema;

•    conteúdo intestinal;

•    conteúdo de hematomas.


8.2.1 Efeitos Fisiológicos sobre o Sistema Circulatório


A massoterapia promove vasodilatação periférica por dois mecanismos:

1)    Promove um aumento da temperatura local;

2)    Provoca a liberação de histamina pela micro circulação que tem um efeito vasodilatador sobre esses vasos.

Além disso, a massoterapia auxilia a circulação de retorno, auxiliando dessa forma no tratamento de edemas.

A vasodilatação promove a reabsorção mais rápida das substâncias algogênicas como as prostaglandinas, as prostaciclinas, a bradicinina o potássio, etc., que diminuem o limiar de excitabilidade do receptor de dor, promovendo assim analgesia.

A massagem pode aumentar transitoriamente o fluxo sangüíneo.

O movimento da linfa nos capilares linfáticos depende de forças externas ao sistema linfático, dessa forma, a massagem pode beneficiar o fluxo linfático.


8.2.2. Efeitos Fisiológicos sobre o Sistema Nervoso


As manobras de deslizamento superficial a profundo bem como a fricção produzem dois efeitos:

1)    Produzem um "esgotamento" nas terminações nervosas livres responsáveis pela percepção de dor, fazendo com elas deixem de sinalizar e dessa forma o estímulo de dor deixa de ser enviado ao SNC;

2)    O deslizamento superficial e a fricção estimulam receptores táteis que atuam no mecanismo de controle das comportas, produzindo assim um efeito analgésico.

A massagem superficial aplicada na região abdominal promove o relaxamento dos órgãos através de um reflexo conhecido como reflexo cuti-visceral, onde o estímulo na pele provoca o relaxamento do órgão, como no caso de cólicas menstruais ou; quando aplicado na forma profunda, ajuda no peristaltismo intestinal, no caso da constipação intestinal.

Atua sobre o sistema nervoso autônomo promovendo um relaxamento global no corpo.
Métodos diferentes de aplicação da massagem fornecerão variações sutis de input aferente que sucessivamente podem causar vários efeitos como sedação ou estimulação.

Os receptores de dor não são facilmente adaptativos, então se substâncias químicas prejudiciais estiverem presentes como resultado de uma lesão, os sinais de dor provavelmente serão deflagrados e enviados para o SNC. A massagem usada adequadamente em áreas periféricas acessíveis de dano, tem um efeito positivo na redução da dor. Especula-se que sob essas circunstâncias a massagem pode causar alterações na circulação local de tal maneira que cause a redução ou eliminação dessas substâncias nocivas causando analgesia.


8.2.3. Efeitos Fisiológicos sobre o Sistema Musculoesquelético


A contração muscular produz catabólitos que são liberados no próprio músculo provando dor. A massagem auxilia a absorção dessas substâncias levando a diminuição da dor.

O catabolismo muscular ocorre em toda situação de estresse orgânico ou emocional devido ao aumento da produção de cortisol, hormônio da glândula supra- renal. As pessoas tensas e angustiadas produzem maiores quantidades de cortisol durante todo o dia. Durante os exercícios também ocorre grande aumento na produção de cortisol. Também contribuem para a degradação do tecido muscular a desidratação dos músculos durante os exercícios, e o aumento da concentração de amônia decorrente das reações químicas que liberam energia a partir da molécula de ATP e o ácido lático.

Com a massagem essas substâncias são eliminadas mais rapidamente evitando o aparecimento de dores musculares e câimbras.

A massagem promove um relaxamento global, diminuindo dessa forma a tensão muscular e a tensão emocional do dia a dia, diminuindo assim a produção de cortisol, melhorando a performance muscular.

A massoterapia favorece o anabolismo: são processos metabólicos que implicam na construção de moléculas a partir de outras. A síntese protéica, a síntese de ácidos graxos e a síntese de hormônios são exemplos de reações anabólicas.

A massagem tem sido utilizada para promover o relaxamento do músculo e, dessa forma, aliviar a dor causada por tensão muscular.
A massagem possibilita que o músculo tenha uma maior resistência para as suas contrações, podendo-se dessa forma, realizar mais exercícios e assim desenvolver a força muscular. Além disso, ela pode ser mais eficaz do que o repouso na recuperação da fadiga após exercícios excessivos.

Através da massagem tenta-se manter os músculos no melhor estado de nutrição, flexibilidade e vitalidade para que se tenha uma melhor recuperação após algum traumatismo ou lesão tecidual.

Também sugere-se que a massagem possa influenciar na estimulação da neoformação vascular após fraturas ósseas favorecendo a formação do calo ósseo.


8.2.4. EFEITOS FISIOLÓGICOS SOBRE AS VÍSCERAS

A massagem abdominal pode aumentar o peristaltismo e assim intensificar o esvaziamento do intestino. Algumas porções do intestino grosso são bem constantes em sua relação com a parede abdominal, assim a direção da passagem do conteúdo do duodeno, cólon ascendente e cólon descendente, e cólon sigmóide podem ser seguidas.

A síndrome do intestino irritável que apresenta os seguintes sintomas: distensão abdominal ou sensação de estofamento, alternância entre períodos de diarréia e constipação, flatulência excessiva (gases), sensação de esvaziamento incompleto após a evacuação e dor (geralmente na forma de cólica) abdominal baixa, principalmente na altura da fossa ilíaca esquerda pode ser ajudada pela massagem.


8.3. Efeitos Psicológicos

Um estudo de Weinberg & Kolodny (1988) investigou a relação entre o exercício, a massagem e o aumento da disposição. Os pesquisadores concluíram que a massagem relacionou-se consistentemente ao aumento de humor positivo transitório e ao bem-estar psicológico.

Ferrell-Torry & Glick (1993) investigaram que a massagem pode modificar a ansiedade e a percepção de dor em pessoas com câncer.
Outros estudos também demonstram que a massagem pode produzir respostas positivas e benéficas ou nenhuma resposta significativa, em vez de ter quaisquer efeitos prejudiciais.

Também é conhecido o efeito calmante da massagem suave, mesmo quando não há comprometimento físico ou patológico.


8.4. Efeitos nos Ossos e Articulações


No passado, a massagem era amplamente utilizada no tratamento das fraturas, sendo então considerada benéfica por ajudar no reparo das lesões dos tecidos moles ocorridas na zona envolvente. Não foi estabelecido se, na verdade, a massagem ajuda na consolidação óssea. A opinião do Comitê de Fraturas do Colégio Americano de Cirurgiões era que, no processo do reparo ósseo normal após a fratura, "a eficácia e rapidez do crescimento do tecido dependem da circulação eficiente nas partes... Portanto, todos os esforços devem ser envidados, desde o inicio, no sentido de ajudar a eficiência da circulação". É difícil ver como estas técnicas podem ser aplicadas efetivamente sem causar movimento aos fragmentos ósseos num local fraturado; contudo, se o local fraturado está estável, as técnicas de massagem podem ter muita utilidade. Muitas das estruturas que circundam as diversas articulações do corpo, como ligamentos, bolsas, cápsulas e tendões, são, com frequência, locais de problemas crônicos. Em muitos casos de disfunção crônica, o tratamento objetiva a ruptura do tecido cicatricial nestas estruturas e das aderências entre elas. Tradicionalmente, a massagem por fricção profunda tem sido a técnica de escolha, visto que o seu vigoroso efeito mecânico no tecido cicatricial tem evidente utilidade na restauração da amplitude de movimentos normais e indolores numa articulação afetada (Cyriax, 1984; Hammer, 1993).

A Osteoartrite, conhecida também afeta as mãos, quadril, joelhos e coluna. Em consequência da idade, as cartilagens que unem as articulações deterioram-se gradualmente, alargando-se e tornando-se rígidas e dolorosas. Uma massagem suave em torno dos pontos críticos é muito tranquilizante, pois melhora a circulação: estimula o fluxo linfático e a remoção das toxinas, reduzindo a inflamação e a rigidez.


9. Influência da Massoterapia nas Doenças Reumáticas

A massoterapia terá sua ação nas doenças reumáticas atuando sobre alguns de seus sintomas, seja trabalhando na sua redução ou na tentativa de evitar seu aparecimento. Dessa forma, vamos analisar os sintomas:


9.1. Dor e Calor nas Articulações

Ambos são causados por ação da inflamação, dessa forma, a massoterapia por sua ação vasodilatadora vai melhorar a irrigação nas articulações favorecendo as substâncias presentes no processo inflamatório (prostaglandinas, prostaciclinas, histamina). Por ação nos receptores táteis, vai proporcionar um alívio na dor.


9.2. Edema

A ação vasodilatadora e a ação mecânica da massoterapia vão favorecer a redução do edema. A ação vasodilatadora permite uma maior e mais fácil reabsorção do líquido presente em uma determinada região e a ação mecânica facilitará a entrada nos vasos do líquido extracelular extravasado.


9.3. Rigidez Matinal


A massoterapia nas articulações pode ajudar na rigidez matinal porque melhora a produção do líquido sinovial, atua na fáscia do tecido articular e periarticular.


9.4. Fraqueza Muscular

Por sua ação em diminuir os produtos resultantes do catabolismo muscular e estimular o anabolismo, a massoterapia pode contribuir para a melhora da fraqueza muscular encontrada nos pacientes reumatológicos. Como o fígado tem participação no processo de anabolismo, podemos supor que a massagem profunda visceral, com ênfase no fígado pode favorecer o anabolismo, mesmo que de forma discreta.


9.5. Instabilidade Articular


A instabilidade articular está relacionada à fraqueza muscular, e a dor, melhorando-se ambos, melhoraremos a instabilidade articular.


9.6. Limitação da Mobilidade

A limitação da mobilidade está relacionada a rigidez articular e a fraqueza muscular. Quando melhoramos esses dois fatores, melhoraremos a mobilidade do paciente melhorando assim sua independência.


10. Conclusão

Vamos encontrar o paciente reumático com seu emocional abalado, principalmente quando ele apresenta muita dor e deformidades. Como mostramos acima, a massoterapia promove relaxamento geral e também possui efeitos sobre o emocional dos pacientes, dessa forma, uma massagem aplicada em todo o corpo do paciente e não apenas no local comprometido pode promover um incremento no humor e na qualidade de vida do paciente.

A massoterapia terá nas doenças reumáticas um efeito local, melhorando a circulação, diminuindo o edema, diminuindo a dor , melhorando a mobilidade e, um efeito geral atuando no bem estar físico geral e no psicológico do paciente.

Trabalho realizado por:

Rafael Brandão, Renata Costa, Diego Ramos, Marco Antônio, Matheus.


Influência dos recursos manuais em Doenças Reumáticas Influência dos recursos manuais em Doenças Reumáticas Revisado by Faça Fisioterapia on 03:08 Nota: 5

Nenhum comentário