Considerada a segunda doença mais frequente na reumatologia, a fibromialgia está presente em cerca de 2% a 8% da população.  Pode surgir...

Tratamento da Fibromialgia deve ser individualizado

http://medfoco.com.br/wp-content/uploads/2012/05/Pontos-de-gatilho-da-fibromialgia.gif

Considerada a segunda doença mais frequente na reumatologia, a fibromialgia está presente em cerca de 2% a 8% da população.  Pode surgir em qualquer idade e ocorre em diferentes países, culturas e grupos étnicos. Não existem dados sugerindo que seja mais comum em países e culturas mais industrializadas.

Acesse o blog Faça Fisioterapia

Saiba informações sobre a Sua Saúde

Talvez seja a doença que traga mais sofrimentos para o paciente. Dor generalizada é a queixa principal, frequentemente acompanhada por cansaço, problemas de memória e alterações do sono.  Nenhum destes sintomas tem uma "expressão visível" aos colegas de trabalho e familiares. Não existe inchaço ou deformidades articulares que possam ser "vistas", os exames laboratoriais são normais. O paciente sofre e não há nada "mensurável" ou demonstrável em correspondência a este sofrimento. O diagnóstico é demorado, geralmente só ocorre após passagem por muitos médicos e realização dos mais diferentes exames, sempre normais.

A fibromialgia pode ser definida com um estado de dor crônica, ou seja, existe o relato de uma dor ou outra "desde sempre".  Dor é a manifestação central da doença, é o que define a doença. Muitos pacientes referem ter apresentado uma dor ou outra durante toda a vida, por exemplo, dor de cabeça, dores e desconforto associados à menstruação e ovulação, dor na articulação tempo-mandibular ("dor ao mastigar" como a queixa mais comum), fadiga crônica, alterações gastrointestinais funcionais (como cólicas e hábito intestinal irregular, alternando períodos de obstipação e diarreia), endometriose, dores nas costas e pescoço, etc.

Atualmente classificamos a fibromialgia como uma dor ou estado de dor de origem central, significando que o paciente desde jovem sofre com dor em diferentes pares do corpo em diferentes momentos da vida. Ou seja, existe um estímulo ou estímulos normais da vida diária que, no sistema nervoso central do paciente com fibromialgia, são amplificados e passam a ser percebidos como estímulos dolorosos. Podemos imaginar que nestes pacientes o limiar de dor ou o sensor que determine quando um estímulo passa a ser doloroso está regulado em um nível mais baixo; eles apresentam um interruptor, um "on-off" para dor mais baixo ou mais sensível que os demais. Pacientes com fibromialgia percebem como dor um estímulo de "toque" ou de "pressão", por exemplo, que seriam meramente desconfortáveis em outra pessoa.

E isto não pode ser controlado pelo paciente sem ajuda, sem tratamento adequado. É fundamental para o paciente e para os que lhe estão próximos, a compreensão de que não se trata de vontade, de querer ou não, o paciente sofre e precisa de tratamento.

Diante deste estado de dor crônica, de "dolorimento" constante, pesquisas evoluíram para estudos funcionais do cérebro, demonstrando, por exemplo, padrões de ativação em áreas cerebrais de processamento de dor diante de um estímulo de pressão leve ou calor moderado nos pacientes com fibromialgia. Estes e outros estudos demonstraram uma base biológica para a fibromialgia e outras síndromes de amplificação da dor.

 Compreendendo melhor a doença, entendemos e explicamos melhor os diferentes sintomas. Com isso, conseguimos um melhor tratamento.

A sensibilidade à dor é decorrente de componentes genéticos (vários genes) e ambientais, sendo diferente em cada pessoa (algo como ter ou não ter cócegas com um estímulo). Depende do balanço ou atividade de diferentes mediadores do sistema nervoso, explicando porque determinados medicamentos para a dor que agem diretamente no sistema central podem ajudar na melhora de diversos componentes da fibromialgia como dor, sono, humor, fadiga em um indivíduo e serem totalmente sem efeito em outro paciente. 

Fatores do meio ambiente podem desencadear a doença, como infecções, traumas, estresse, ou piorar seus sintomas, como inatividade física e má qualidade do sono.

Embora o tratamento da fibromialgia deva ser individualizado, não há dúvida da importância de atividade física regular, do exercício para a melhora dos sintomas. Deve ser iniciado de forma gradual, respeitando-se os limites do paciente, mas é um elemento fundamental do tratamento (ainda que cause alguma dor/desconforto nos primeiros dias), associado ou não ao tratamento medicamentoso.

 Todos os pacientes precisam ser educados a respeito da natureza da fibromialgia, do fato de que não é uma doença progressiva, de que seu tratamento depende da participação ativa do paciente "descobrindo" em parceria com o médico a melhor maneira de reduzir o estresse, de melhorar a qualidade do sono e de praticar exercícios. O tratamento medicamentoso também deve ser amplamente discutido e as decisões compartilhadas.

 A fibromialgia pode, portanto, ser considerada um diagnóstico ou um conjunto de sintomas caracterizado por um mecanismo de amplificação da dor de origem central com fadiga, alterações de memória, do sono e do humor.

0 comentários:

Os exercícios mobilização articular podem ser feitos em articulações específicas antes você de sair da cama. Por exemplo, você pode trabal...

Exemplos de exercícios articulares

http://www.desportoesaude.com/wp-content/uploads/2009/08/image25.png

Os exercícios mobilização articular podem ser feitos em articulações específicas antes você de sair da cama. Por exemplo, você pode trabalhar as articulações dos joelhos o máximo que conseguir antes de levantar e colocar todo seu peso sobre eles. Além disso, você pode usar os exercícios para manter a flexibilidade durante uma crise (episódio em que as articulações ficam quentes e doloridas), embora você tenha que discutir isso primeiro com seu médico. Os exercícios ROM também podem ser feitos antes de exercícios mais pesados, para ajudar a aquecer as articulações, e depois dos exercícios, para ajudar a esfriá-las gradualmente.

Entretanto, lembre-se de que os exercícios não devem substituir seu programa de exercícios regulares. Eles devem ser realizados em conjunto com um programa de exercícios mais vigorosos criado de acordo com suas necessidades específicas. Ao fazê-los, é importante seguir algumas orientações.

  • Começar lentamente - comece com cinco a dez repetições, se conseguir, e vá aumentando gradualmente.
  • Não forçar a articulação a ponto de sentir dor - se isso acontecer, é possível que você tenha estendido muito o movimento.
  • Respirar regularmente à medida que faz os exercícios - não prenda a respiração.

Os exemplos a seguir são de exercícios ROM recomendados com mais freqüência para as pessoas com artrite. Você pode trabalhar somente as articulações afetadas ou todas as articulações para aumentar a flexibilidade.

Pulsos e dedos das mãos

Exercite sempre as duas mãos. Pode ser que você ache útil usar uma mesa para apoiar as mãos e braços durante os exercícios.

  1. Relaxe os dedos e flexione o pulso para trás e para frente o máximo possível.
  2. Descanse o antebraço e a mão, com a palma para baixo, esticados sobre a mesa. Um de cada vez, levante os dedos o máximo que puder. Faça o mesmo com o polegar. Então, com os dedos juntos, levante toda a mão enquanto mantém o antebraço na mesa.
  3. Abra e feche a mão, faça um punho e solte.
  4. Com a mão bem aberta, toque a ponta de cada dedo na ponta do polegar. Quanto mais distanciar os dedos, maior será a extensão atingida.
  5. Coloque a mão com a palma para baixo sobre a mesa e o polegar estendido na lateral. Um por um, deslize cada dedo sobre o polegar até que todos eles estejam juntos.

Pescoço

Você pode fazer esses exercícios em pé ou sentado. Nunca estenda muito o pescoço para trás diretamente, pois isso coloca pressão desnecessária sobre sua coluna cervical.

  1. Gire a cabeça lentamente e olhe sobre o ombro direito, em seguida, sobre o ombro esquerdo.
  2. Incline a cabeça para a esquerda, movendo a orelha esquerda em direção ao ombro esquerdo; faça o mesmo com o lado direito. Não se assuste se ouvir um estalo; é semelhante ao estalido feito pelo movimento normal de um osso em contato com outro, conhecido como crepitação.

Ombros

  1. Deite de costas, com os braços nas laterais, flexione os cotovelos e tente afastar a parte superior dos braços do corpo até formar um ângulo reto.
  2. Mantenha os braços na cama durante o exercício.

Cotovelos

  1. Deitado de costas e com a parte superior dos braços sobre a cama, flexione os cotovelos em ângulo reto, de modo que seus antebraços fiquem perpendiculares ao corpo.
  2. Quando estiver nessa posição, gire os antebraços, para que alterne o olhar sobre as palmas e as costas das mãos.

Costas

  1. Fique de pé com as mãos nos quadris e os pés afastados na largura dos ombros.
  2. Gire cabeça e ombros para a direita e, depois, para a esquerda. Os quadris devem estar virados para frente durante todo o exercício.

Quadris

  1. Sente-se no chão com as pernas estendidas para frente.
  2. Gire as pernas para dentro, de modo que os pés apontem um para o outro.
  3. Em seguida, gire as pernas para fora, fazendo com que os pés apontem para sentidos contrários.

Joelhos

  1. Deite de costas no chão com as pernas estendidas.
  2. Leve um joelho para cima em direção ao peito e retorne-o à posição inicial. Faça quatro repetições e, em seguida, mude a perna.

Pés/tornozelos

  1. Sente-se no chão com as pernas estendidas para frente.
  2. Faça círculos no ar com os dedões dos pés, primeiro no sentido horário, depois, no anti-horário. Lembre-se de girar os tornozelos suavemente. Faça várias repetições.

Dedos do pé

  1. Sente-se no chão com as pernas estendidas para frente.
  2. Flexione e estenda os dedos. Se os dedos estiverem muito rígidos, use as mãos para dobrá-los suavemente para cima e para baixo.

Agora, é hora de realmente trabalhar duro. Na próxima seção, aprenderemos a treinar a força, caso você tenha artrite.

Músculos fortes e corretamente condicionados não são apenas bonitos, mas também essenciais para a sustentação e a proteção das articulações. Em particular, músculos fortes servem para sustentar as costas e a coluna, ajudando a prevenir lesões.

Seu programa de exercícios regulares ajudará gradualmente a fortalecer os músculos. Entretanto, exercícios adicionais de fortalecimento podem ser feitos independentes de outras formas de exercício ativo. Você pode combinar seus exercícios de fortalecimento com sua rotina suave de ROM.

Geralmente, esses exercícios devem ser realizados pelo menos uma vez por dia, mas não mais do que duas, para evitar fadiga e estresse dos músculos e articulações. Naturalmente, você precisa considerar sua tolerância individual ao determinar a freqüência dos exercícios.

Cabe a você escolher a hora do dia em que fará os exercícios de fortalecimento, mas os resultados serão melhores se forem feitos quando você não estiver cansado. Esse tipo de exercício pode ser mais fácil ou mais confortável após um banho quente. Algumas pessoas preferem fazer os exercícios de fortalecimento antes de dormir. O importante é fazer os exercícios, assim como os exercícios ROM, regularmente. Eles devem fazer parte da sua rotina diária, assim como escovar os dentes.

Conforme fizer sua rotina de fortalecimento, lembre-se de algumas orientações:

  • faça alguns minutos de aquecimento e de alongamento para soltar os músculos tensos e aquecer as articulações rígidas antes de começar;
  • faça os exercícios em uma ordem lógica começando com a parte superior do corpo e avançando para a parte inferior;
  • faça os movimento com lentidão, suavidade e precisão (distrações como televisão podem provocar perda de concentração e prática técnica incorreta na realização dos exercícios);
  • comece com, no máximo, cinco repetições e aumente gradualmente conforme seu corpo tolerar;
  • mude a quantidade de repetições conforme estiver se sentindo em um dia específico (ouça seu corpo: se estiver tendo um mal dia, não force);
  • respire normalmente, pois prender a respiração durante o exercício pode deixá-lo cansado com mais rapidez.

Os exemplos a seguir são de exercícios de fortalecimento. Lembre-se de que um fisioterapeuta ciente das necessidades de exercícios e dos problemas especiais das pessoas com artrite pode ajudar a estabelecer um programa de fortalecimento individualizado.

Ombros

  1. Levante um braço sobre a cabeça e toque as costas com a mão, como se quisesse coçá-la.
  2. Flexione o outro braço atrás das costas e tente alcançar os dedos da outra mão. Repita trocando os braços. Esse é um bom exercício para fortalecimento e flexibilidade do ombro.

Costas

Mantendo os antebraços apoiados no chão, levante a cabeça e os ombros.
2006 Publications International, Ltd.
Mantendo os antebraços apoiados no chão, levante a cabeça e os ombros
  1. Deite de costas, com o corpo estendido sobre uma esteira ou uma superfície almofadada. Use uma cadeira resistente, se necessário, para se abaixar até o chão. Puxe um joelho até o peito e segure por dez segundos. Em seguida, estenda a perna e repita o movimento com a outra perna. Esse exercício alongará as costas, preparando-as para o exercício de fortalecimento seguinte.
  2. Deite de barriga para baixo. Mantendo os antebraços apoiados no chão, levante a cabeça e os ombros, colocando o peso sobre os antebraços. Segure por dez segundos, solte e repita.

Abdome

  1. Deite de costas com os joelhos flexionados e os pés apoiados no chão.
  2. Levante lentamente a cabeça e os ombros, segure por dez segundos e solte. Lembre-se de manter a coluna lombar no chão durante todo o exercício. Apóie o pescoço com uma mão se tiver artrite nessa região.

Joelhos

  1. Sentado em uma cadeira firme, resistente e com encosto duro, estenda a perna contraindo os músculos da coxa.
  2. Aponte os dedos para fora, na sua frente, depois, para cima, aumentando gradualmente para dez repetições, então, relaxe e repita. Faça o mesmo com a outra perna.

Tornozelos

  1. Permaneça sentado na cadeira e levante os pés levemente.
  2. Gire os tornozelos para a direita e para a esquerda.

Experimente exercícios aquáticos

Os exercícios aquáticos há muito tempo são recomendados para pessoas com artrite. A hidroginástica terapêutica inclui vários exercícios criados especialmente para proporcionar flexibilidade articular, fortalecimento muscular e relaxamento. A leveza da água permite que as articulações tenham total mobilidade com menos estresse.

Os exercícios aquáticos permitirão que você exercite-se sem colocar muita pressão ou tensão nas articulações.

As pessoas que têm dificuldade para andar geralmente conseguem fazer exercícios na água, pois há menos estresse sobre costas, quadris, joelhos e pés. Para a maioria das aulas, não é necessário saber nadar (verifique antes de se matricular). Aqui daremos algumas dicas para escolher e participar de uma aula de exercícios aquáticos.

  • Procure fazer uma aula que tenha sido autorizada pela Fundação da Artrite, que desenvolveu um programa ensinado em muitas regiões do país. Para a aula ser autorizada, o instrutor deve ter concluído o treinamento especial. Se não encontrar nenhuma, certifique-se de que a que escolheu seja ministrada por um instrutor qualificado que seja fisioterapeuta ou terapeuta ocupacional ou que tenha algum tipo de certificação em hidroginástica.
  • Fale com seu médico antes de começar a fazer essas aulas.
  • A temperatura da água da piscina deve ser de 28,8ºC (piscinas para profissionais geralmente ficam entre 26ºC e 28ºC), já que você pode achar desconfortável a água mais fria.
  • Se tiver dificuldade para ficar entrando e saindo da piscina, procure uma piscina "terapêutica". Algumas academias de ginástica possuem piscinas com rampas ou degraus com corrimão e com a água na altura do peito para dar equilíbrio.
  • Proteja os pés, pois fazer exercícios na água regularmente pode irritar as solas dos pés. Calçados protetores com sola de borracha antiderrapante são vendidos em lojas de produtos esportivos a preços variados. Esses calçados específicos protegem os pés e proporcionam tração dentro e ao redor da piscina.
  • Se usar bengala ou andador na área da piscina, verifique se as pontas emborrachadas são práticas e estão intactas para que você não escorregue.
  • Se usar saída de banho, veja se ela não está encostando no chão, para que você não tropece e caia.
  • Se quiser usar o turbilhão da academia, faça-o apenas depois da aula de hidroginástica. A água muito quente do turbilhão pode levar ao cansaço e aumentar os batimentos cardíacos, esgotando potencialmente seus recursos físicos para os exercícios.

Siga a "Regra de duas horas de dor"

Embora o exercício tenha um papel importante no controle da artrite, o excesso pode ser tão ruim quanto a falta. Quando der início ao programa de exercícios, você provavelmente sentirá certo desconforto e dor, o que é normal. No início, você pode até ficar um pouco mais cansado que o normal. Entretanto, é importante reconhecer a diferença entre dor normal e fadiga do excesso. Mas como fazer isso?

Experimente seguir a regra de duas horas de dor. Se tiver dor ou desconforto nas articulações por mais de duas horas após ter terminado os exercícios, é possível que tenha exagerado e precise mudar o programa. Além disso, cuidado para não usar excessivamente uma articulação quando ela começar a melhorar, já que isso pode ocasionar lesão.

A dor da artrite em uma articulação pode fazer o exercício parecer impossível, mas deixar de ir à academia pode provocar mais dor a longo prazo. Desde que esteja seguro e seja cuidadoso, o exercício pode controlar e até aliviar algumas dores da artrite.

0 comentários:

Já ouviu falar, com certeza, das vantagens de ter os ossos fortes para prevenir fraturas. Mas e das articulações fortes para ajuda...

Exercícios para fortalecer as articulações

Já ouviu falar, com certeza, das vantagens de ter os ossos fortes para prevenir fraturas. Mas e das articulações fortes para ajudar a prevenir lesões e reduzir a dor articular?

O exercício é especialmente importante para quem sofre de artrite.

Os exercícios para fortalecer as articulações do corpo funcionam trabalhando os músculos que rodeiam as articulações para uma maior estabilidade. Os tendões e ligamentos também se tornam mais flexíveis, reduzindo o risco de luxações ou entorses.

Se sofre de dores nas articulações provocadas por uma artrite ou uma lesão, existem vários exercícios que pode executar para as fortalecer. Consulte o seu médico sobre quais são os exercícios mais recomendados para si.

Os exercícios incluem actividades aeróbicas, tais como:

Nadar. A natação é um excelente exercício aeróbico que fortalece os músculos e as articulações sem o risco de desgaste, como acontece na corrida.      

Andar de bicicleta. É também um bom exercício de baixo-impacto que fortalece as articulações e melhora a sua forma física geral.

Exercícios de movimento. Estes exercícios obrigam a mover as articulações em toda a sua extensão de movimento, como levantar os joelhos até ao peito ou elevar os braços acima da cabeça. Os exercícios de movimento ajudam a reduzir a rigidez e a aumentar a flexibilidade.

Treino da força. Exercícios para aumentar a força, como a musculação, reforçam os músculos em redor das articulações aumentando a sua força e capacidade de suporte.

Treino de flexibilidade/alongamento. Os alongamentos ajudam a aumentar a flexibilidade  das articulações e a manter uma ampla gama de movimentos operacionais, aliviando a tensão muscular.

Também poderá beneficiar de exercícios que visem fortalecer articulações específicas. As lesões e dores nos joelhos, por exemplo, são muito comuns. Exercícios que fortaleçam os músculos que sustentam os joelhos ajudam a prevenir complicações. Experimente exercícios de alongamento que trabalhem os quadríceps – o músculo grande na frente da coxa. Além disso, exercícios de força que trabalhem os músculos dos quadris e da barriga da perna podem ajudar a prevenir lesões no tornozelo e na anca.

Em contrapartida, qualquer pessoa com dor nas articulações deve ter cuidado ao fazer exercícios de alto impacto, podendo assim agravar a dor e a inflamação. Estes exercícios incluem:

  • Andar depressa, jogging e correr
  • Saltar à corda
  • Desportos que obriguem a muita corrida, como o ténis e o basquetebol.
  • Dança aeróbica

Tenha cuidado ao fazer exercício, e pare imediatamente se sentir dor. Se tiver dores articulares, consulte o seu médico ou fisioterapeuta acerca dos exercícios mais apropriados para si.

0 comentários:

Faça Fisioterapia