Saiba mais sobre a Polimialgia Reumática


>




A polimialgia reumática se apresenta como uma doença inflamatória. Atinge principalmente pessoas com mais de 50 anos, sendo que as mulheres são o grupo com maior incidência. Seu nome vem da junção das palavras “mialgia”, que no grego significa “dor muscular” e “poli”, que significa “muitos”. Ou seja, “dor em vários músculos”.

A doença não tem causas conhecidas, mas é confirmado seu potencial de contágio e infecção. Em geral, ela está relacionada a outras doenças.

A arterite de células grandes (ou arterite temporal) foi diagnosticada também em 15% das pessoas que tinham a polimialgia reumática. Além disso, metade dos pacientes com arterite temporal estavam com a doença da polimialgia.

Como não foi ainda bastante estudada, a enfermidade não tem fatores de risco conhecidos. Ela não pode ser relacionada a problemas genéticos, hereditários ou comportamentais.

Dor e rigidez no pescoço e ombros são sinais comuns da polimialgia reumática. A dor e a rigidez começam nessas partes do corpo e, gradualmente, afetam outras áreas. Entre elas, os quadris e coxas.

Os outros sintomas comuns dessa doença inflamatória são:

fadiga
anemia (contagem baixa de glóbulos vermelhos)
perda de apetite
perda não intencional de peso
depressão
febre baixa
amplitude limitada de movimento

Polimialgia reumática e os músculos

As inflamações provocadas pela polimialgia reumática costumam provocar dores em diversas partes do corpo. Esses incômodos são mais comuns nos músculos, que ficam enrijecidos em função da doença.

A sensação de retesamento aparece principalmente na musculatura dos membros, do quadril e do pescoço. Os sintomas aparecem em ambos os lados do corpo, surgindo rapidamente. Eles podem estar presentes em todos os músculos de uma só vez e vão piorando em dias, semanas ou até mesmo na mesma noite.

Alguns outros sinais, menos comuns, também podem indicar a polimialgia. Entre eles, a febre, um mal-estar que aparece sem motivo aparente, perda de apetite, emagrecimento, depressão e dores nas articulações, principalmente das mãos e dos pulsos.

Quem apresenta um quadro da doença também pode ter muita dificuldade em levantar da cama, mudar de roupas e se movimentar após um longo período sentado. Quanto mais se mexer, as dores e o enrijecimento dos músculos tendem a ser reduzidos.

Diagnóstico e tratamento da polimialgia reumática

Por ser facilmente confundida com outras infecções, a polimialgia reumática tem um diagnóstico bastante complicado. Para excluir a possibilidade de outras doenças, o médico costuma aplicar os exames de velocidade de hemossedimentação (o VHS) e a proteína C reativa (PCR). São procedimentos clínicos feitos sob orientação do profissional.


Após ser detectada, a doença é tratada principalmente através de corticoides. Quando ela surge em conjunto com a arterite temporal, as doses dos medicamentos são maiores. Pacientes já apresentaram melhora dos sinais depois da aplicação de uma única dose.

Porém, a evolução do tratamento pode ser bastante devagar e difícil. É necessária uma reavaliação do quadro clínico após duas ou três semanas, caso os sintomas não forem reduzidos ou eliminados.

Depois de controlados os sintomas com o uso correto dos corticoides, o tratamento com a medicação vai sendo reduzido em doses menores até que chegue a conclusão dos cuidados para a polimialgia reumática.

Como a dor do enrijecimento muscular é intensa, muitas vezes é necessário que a pessoa permaneça de cama, em repouso, por um período que permita que o relaxamento dos músculos seja completo. Além disso, se a doença estiver acompanhada da arterite temporal e não for tratada adequadamente, pode levar à cegueira.

Share on Google Plus

About Faça Fisioterapia

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário