Saiba mais sobre a Polimialgia Reumática








A polimialgia reumática se apresenta como uma doença inflamatória. Atinge principalmente pessoas com mais de 50 anos, sendo que as mulheres são o grupo com maior incidência. Seu nome vem da junção das palavras “mialgia”, que no grego significa “dor muscular” e “poli”, que significa “muitos”. Ou seja, “dor em vários músculos”.

A doença não tem causas conhecidas, mas é confirmado seu potencial de contágio e infecção. Em geral, ela está relacionada a outras doenças.

A arterite de células grandes (ou arterite temporal) foi diagnosticada também em 15% das pessoas que tinham a polimialgia reumática. Além disso, metade dos pacientes com arterite temporal estavam com a doença da polimialgia.

Como não foi ainda bastante estudada, a enfermidade não tem fatores de risco conhecidos. Ela não pode ser relacionada a problemas genéticos, hereditários ou comportamentais.

Dor e rigidez no pescoço e ombros são sinais comuns da polimialgia reumática. A dor e a rigidez começam nessas partes do corpo e, gradualmente, afetam outras áreas. Entre elas, os quadris e coxas.

Os outros sintomas comuns dessa doença inflamatória são:

fadiga
anemia (contagem baixa de glóbulos vermelhos)
perda de apetite
perda não intencional de peso
depressão
febre baixa
amplitude limitada de movimento

Polimialgia reumática e os músculos

As inflamações provocadas pela polimialgia reumática costumam provocar dores em diversas partes do corpo. Esses incômodos são mais comuns nos músculos, que ficam enrijecidos em função da doença.

A sensação de retesamento aparece principalmente na musculatura dos membros, do quadril e do pescoço. Os sintomas aparecem em ambos os lados do corpo, surgindo rapidamente. Eles podem estar presentes em todos os músculos de uma só vez e vão piorando em dias, semanas ou até mesmo na mesma noite.

Alguns outros sinais, menos comuns, também podem indicar a polimialgia. Entre eles, a febre, um mal-estar que aparece sem motivo aparente, perda de apetite, emagrecimento, depressão e dores nas articulações, principalmente das mãos e dos pulsos.

Quem apresenta um quadro da doença também pode ter muita dificuldade em levantar da cama, mudar de roupas e se movimentar após um longo período sentado. Quanto mais se mexer, as dores e o enrijecimento dos músculos tendem a ser reduzidos.

Diagnóstico e tratamento da polimialgia reumática

Por ser facilmente confundida com outras infecções, a polimialgia reumática tem um diagnóstico bastante complicado. Para excluir a possibilidade de outras doenças, o médico costuma aplicar os exames de velocidade de hemossedimentação (o VHS) e a proteína C reativa (PCR). São procedimentos clínicos feitos sob orientação do profissional.


Após ser detectada, a doença é tratada principalmente através de corticoides. Quando ela surge em conjunto com a arterite temporal, as doses dos medicamentos são maiores. Pacientes já apresentaram melhora dos sinais depois da aplicação de uma única dose.

Porém, a evolução do tratamento pode ser bastante devagar e difícil. É necessária uma reavaliação do quadro clínico após duas ou três semanas, caso os sintomas não forem reduzidos ou eliminados.

Depois de controlados os sintomas com o uso correto dos corticoides, o tratamento com a medicação vai sendo reduzido em doses menores até que chegue a conclusão dos cuidados para a polimialgia reumática.

Como a dor do enrijecimento muscular é intensa, muitas vezes é necessário que a pessoa permaneça de cama, em repouso, por um período que permita que o relaxamento dos músculos seja completo. Além disso, se a doença estiver acompanhada da arterite temporal e não for tratada adequadamente, pode levar à cegueira.


Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Tenho indicações para você apofundar seus estudos em Cardiologia. Espia só:
  • Sistema Cardiovascular: anatomia e fisiologia
  • Curso de Eletrocardiograma Básico
  • Drive Virtual de Fisioterapia na Cardiologia
  • Curso Online de Fisioterapia Aplicada à Cardiologia


  • Poste um Comentário

    Nenhum comentário

    Tecnologia do Blogger.