A dor articular pode ser consequência de um processo inflamatório ou degenerativo, que pode determinar alterações circulatórias locais com i...

Hidrocinesioterapia e a dor articular



A dor articular pode ser consequência de um processo inflamatório ou degenerativo, que pode determinar alterações circulatórias locais com isquemia, que representa a causa mais freqüente de dor neurogênica.

As causas de dor articular não são ainda totalmente conhecidas. Nos últimos anos, aumentou o interesse por algumas substâncias (5 – hidroxitriptamina ou serotonina, bradicinina, prostaglandinas), que seriam capazes de modificar a sensibilidade das terminações nervosas pela qual estas últimas reagiriam a pequenos estímulos provocadores de dor

Dentro do campo da fisioterapia, o fisioterapeuta utiliza vários recursos para aliviar a dor em indivíduos com osteoartrose, como por exemplo, a termoterapia, eletroterapia, crioterapia, hidroterapia e hidrocinesioterapia.

O termo hidroterapia é derivado do grego hydor – água e therapia – cura. A hidrocinesioterapia é a aplicação da água para fins terapêuticos, utilizando-se das propriedades físicas como agentes da terapia. As principais propriedades físicas da água são: densidade e gravidade específicas, pressão hidrostática, empuxo, tensão superficial, viscosidade, metacentro, turbulência, fricção e refração, todas estas propriedades influenciam no tratamento.

Os efeitos terapêuticos incluem o alívio da dor, relaxamento e fortalecimento muscular. Exercícios em piscina aquecida reduzem as chances de microtraumas, pois os movimentos são lentos e há uma falta de forças excêntricas, além disso, as mudanças fisiológicas que são conseqüência da imersão em água aquecida, ajudam a reduzir a dor percebida e aumentam a facilidade no movimento.

Um corpo imerso em água aquecida, sofre estímulos diversos, que desencadeiam efeitos terapêuticos tais como: melhora da capacidade funcional dos músculos e articulações, melhora da coordenação, equilíbrio, postura e dor.

A terapia aquática oferece inúmeros benefícios: melhora da imagem corporal, desenvolvimento da independência, melhora das condições físicas, auto confiança, melhora da auto disciplina e oportunidade para auto expressão e criatividade.

Os movimentos na água são geralmente associados ao objetivo terapêutico, com a normalização de amplitudes de movimento, força e tônus muscular. O relaxamento integral promove a diminuição da tensão, espasmo muscular e principalmente um desligamento mental ocasionando aumento no limiar da dor.  A melhora da dor articular vai promover uma melhora na qualidade de vida dos participantes.

Portanto, utilize as mais diversas terapias aquáticas como hidrocinesioterapia para melhorar a Dor Articular.

Para terminar esse post, uma dica: seja um profissional com conhecimentos e habilidades na área de Terapia Aquática. Conheça o Curso Top 5 para Terapia Aquática. Ele é composto de uma aula de abertura e mais 4 aulas em vídeo, onde serão abordados todos os efeitos físicos da água, sua influência e benefícios para o tratamento aquático. Também estará disponível um material teórico. Clique aqui e saiba mais!

0 comentários:

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma patologia inflamatória idiopática crônica, do tecido conjuntivo, multissistêmica e caráter auto-im...

Fisioterapia e o Lúpus Eritematoso Sistêmico

O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma patologia inflamatória idiopática crônica, do tecido conjuntivo, multissistêmica e caráter auto-imune, a qual evolui com manifestações clínicas polimórficas e períodos de exacerbações e remissões (Borba et al., 2008). Acomete ambos os sexos em qualquer faixa etária, porém tem maior incidência em mulheres a partir da idade reprodutiva



O tratamento deve ser individualizado para cada paciente pois vai depender dos órgãos ou sistemas afetados e do grau de gravidade dos acometimentos.

Com o avanço dos tratamentos, dos medicamentos e do conhecimento sobre a patologia, o prognóstico melhorou significativamente nas últimas décadas, assistindo-se assim uma melhoria de sobrevida nesses doentes.

Os principais sintomas desencadeados pelo lúpus são rigidez articular, dores articulares e fadiga, fazendo com que o indivíduo reduza as suas atividades de vida diária e comprometendo a sua qualidade de vida. Portanto, o fisioterapeuta vai atuar com o objetivo de restaurar, manter e promover a melhora do sistema musculoesquelético e da saúde.

Os portadores de lúpus eritematoso sistêmico se beneficiam de exercícios que possibilitam a melhora da qualidade de vida, através da redução da fadiga, melhora da capacidade aeróbica, e diminuição da dor e da depressão.

O exercício físico tanto resistido quanto o aeróbico, quando tolerado psicologicamente e fisiologicamente promove redução ou controle da depressão, da fadiga e da dor, além de ganhos na força muscular, na capacidade funcional, no metabolismo aeróbico, e, consequentemente, na qualidade de vida desses indivíduos.

A fisioterapia utiliza diversos recursos terapêuticos como a cinesioterapia geral e respiratória, hidroterapia, TENS, drenagem linfática, exercícios de coordenação, equilíbrio e reeducação da marcha para a manutenção ou aumento da força muscular, da amplitude de movimento articular, para redução de edemas, desenvolvimento da marcha, manutenção do equilíbrio, redução da dor e manejo da qualidade de vida

    O exercício físico pode ser considerado como uma importante estratégia de tratamento, pois melhora a condição cardiovascular, reduz a fadiga e as anomalias metabólicas dos seus portadores, além de melhorar a QV dos mesmos.

A liberação fascial é um recurso simples e manual capaz de reduzir a dor, rigidez, fadiga e ansiedade. Estes sintomas, muito presentes no LES, podem ser tratados através da técnica citada, que, além de melhorá-los, garante aos portadores da patologia melhor mobilidade funcional, autonomia, estado emocional e qualidade de vida.

O tratamento deve ser global, priorizando medidas gerais como a educação do indivíduo e da família sobre o estado da doença, recursos para seu tratamento, relevância da atividade física, importância do apoio psicológico, dieta balanceada, fotoproteção e evitar o tabagismo.

O fisioterapeuta desempenha um papel importante por atuar na manutenção de habilidades para as atividades funcionais do paciente, avaliando a capacidade física do indivíduo, que sempre vai estar sujeita a diversas variáveis, como alterações na força muscular, flexibilidade e função cardiorrespiratória.

Como o lúpus eritematoso sistêmico normalmente não é uma patologia incapacitante, salvo algumas exceções, o fisioterapeuta se torna um profissional de grande importância visando prevenir problemas e restaurando o equilíbrio osteomuscular prevenindo que a musculatura fique hipotrofiada.

0 comentários:

Reumatismo é o nome popular dado às doenças reumáticas, que são compostas por mais de cem doenças distintas que acometem o sistema mú...

Fisioterapia e Reumatismo


e Dores Relacionadas Tratamento de Reumatismo - Academia de ...

Reumatismo é o nome popular dado às doenças reumáticas, que são compostas por mais de cem doenças distintas que acometem o sistema músculo-esquelético, ou seja, ossos, articulações ("juntas"), cartilagens, músculos, fáscias, tendões e ligamentos. Além disso, essas doenças também podem comprometer diversos órgãos do corpo humano, como os rins, o coração, os pulmões e o intestino, assim como a pele.

As doenças reumáticas mais conhecidas são: osteoartrose, artrite reumatóide, osteoporose, gota, lúpus, febre reumática, fibromialgia, tendinite, bursite e diversas patologias que acometem a coluna vertebral.

Reumatismo não é uma "doença de velho", pois pode ocorrer em qualquer idade, acometendo jovens, crianças e, inclusive, recém-nascidos.

Segundo estatísticas, 15 milhões de brasileiros apresentam algum tipo de doença reumática, o que pode gerar, além do sofrimento pessoal, reflexos na vida sócio-econômica do país, uma vez que estas doenças enquadram-se entre as principais causas de incapacidade física e de afastamento temporário ou definitivo do trabalho.

Quem tem alguma doença reumática pode apresentar dor e calor nas articulações, edema ("inchaço"), rigidez matinal (dificuldade para movimentar as articulações ao acordar de manhã), fraqueza muscular e, conforme a patologia, lesões de pele, dor de cabeça, queda de cabelo, fadiga, emagrecimento e febre.

As doenças reumáticas não são contagiosas e podem ser causadas ou agravadas por fatores genéticos, traumatismos, trabalho intenso, obesidade, sedentarismo, estresse, ansiedade, depressão e alterações climáticas.

Essas doenças devem ser tratadas para que o paciente possa ter uma melhor qualidade de vida, sem dores, sem o agravamento das lesões e sem maiores disfunções e deformidades articulares, que, por vezes, podem ser definitivas.

O tratamento das doenças reumáticas consiste na administração de drogas analgésicas e antiinflamatórias, de injeções locais de corticosteróides (infiltrações), de medicamentos próprios para o controle da doença e fisioterapia.

Sociedade Paranaense de Reumatologia - Reabilitação em reumatismo ...

A fisioterapia é umas das formas de tratamento para o reumatismo que se utiliza de aparelhos e métodos como: bolsas de água morna e fria, exercícios com o objetivo de recuperar a mobilidade das juntas e articulações, sendo seu principal foco combate a dor. Além desses métodos, outros como: Hidroterapia, hidroginástica e natação são excelentes ferramentas no combate e prevenção a reumatismo. 

No tratamento das doenças reumáticas, a fisioterapia proporciona ao paciente uma reeducação física e funcional através do alívio da dor e da rigidez articular, da recuperação dos movimentos, do reforço e do relaxamento muscular, da prevenção ou tratamento das deformidades e, quando o paciente já apresentar seqüelas definitivas, auxilia na reabilitação profissional, desenvolvendo ao máximo o potencial residual existente, adaptando este paciente às novas condições de vida.

Todos esses benefícios podem ser obtidos por um programa de fisioterapia elaborado especificamente para tratar o paciente como um todo, levando-se em conta não somente o que o paciente está apresentando, mas também tentando-se atuar nas causas dos sintomas.

Para o tratamento de pacientes que apresentam essas doenças, o fisioterapeuta dispõe de uma variedade de recursos como, por exemplo, gelo, ultra-som, correntes elétricas, laser, massagens, mobilizações articulares, trações, alongamentos, técnicas para relaxamento e reforço muscular, assim como exercícios específicos para cada paciente.

Como falei acima, os pacientes ainda podem se beneficiar com o tratamento em piscina térmica, que é conhecido como hidroterapia ou fisioterapia aquática, onde são realizadas todas essas técnicas de mobilizações articulares, relaxamento e reforço muscular, com a vantagem de se estar em um meio que possibilita o alívio imediato de dores, proporcionando uma enorme sensação de bem estar e prazer.

O objetivo da fisioterapia reumatologica é minimizar dores e incapacidades geradas por tais patologias através da utilização de recursos eletroanalgésicos, da aplicação de técnicas de terapia manual e de atividades que estimulem a movimentação articular fortalecendo e alongando os músculos envolvidos buscando assim prevenir a instalação de deformidades, bem como evitar a progressão de deformidades já instaladas, buscando sempre manter uma boa qualidade de vida

Todo o tratamento com fisioterapia deve ser baseado em uma abordagem global, atendendo e assistindo o sujeito integralmente, com o objetivo de propiciar uma reabilitação mais completa e abrangente, em âmbito físico, psíquico, social e emocional, melhorando, significativamente, a qualidade de vida desses pacientes.

Publicado em 14/01/13 e revisado em 07/05/20


0 comentários:

A artrose e suas consequências são muito frequentes em clinicas de fisioterapia. Então, decidi separar os alguns textos para você ler sobre ...

10 postagens sobre Fisioterapia e Artrose




A artrose e suas consequências são muito frequentes em clinicas de fisioterapia. Então, decidi separar os alguns textos para você ler sobre essa patologia e que estão publicados aqui no blog.

Olha a relação: 











Aproveite a quarentena e leia os posts. Até a próxima!

0 comentários:

É muito difícil, para o fisioterapeuta , o tratamento dos sintomas de uma doença reumatológica. Muitas vezes, como o paciente não relata m...

Fisioterapia nos Reumatismos





É muito difícil, para o fisioterapeuta, o tratamento dos sintomas de uma doença reumatológica. Muitas vezes, como o paciente não relata muita melhora no quadro, a incerteza de estar no caminho certo sempre surge. Eu passei por isso algumas vezes.

A fisioterapia reumatológica consiste no tratamento de disfunções cinesiofuncionais causadas por doenças crônico-degenerativas ou inflamatórias que acometem o sistema músculo esquelético e o sistema conjuntivo de causas não traumáticas.

Antes de começar a falar sobre Fisioterapia nos Reumatismos, é importante definir que reumatismo, na verdade, não é uma doença, mas um termo geral para caracterizar cerca de 130 doenças que afetam, principalmente, as articulações (juntas), embora também possam afetar os sistemas respiratório, gastrointestinal e a pele, entre outras partes de nosso corpo

Como se trata de um grupo grande de doenças, o reumatismo pode ter várias causas e afetar qualquer pessoa. Os idosos, por exemplo, são os que mais têm artrose — um problema reumático provocado pelo desgaste natural da cartilagem articular. Já a gota, doença reumática relacionada ao aumento de ácido úrico no sangue, é mais frequente nas pessoas do sexo masculino.

O reumatismo também pode afetar as crianças. Um exemplo disso é a atrite reumatoide juvenil, que provoca dores nas articulações. Por isso, se uma criança apresentar esses sintomas, um médico deve ser procurado rapidamente, pois essa doença conta com ótimas condições de tratamento

Na maioria das vezes, as doenças reumáticas apresentam sintomas claros e podem ser percebidos pelo próprio paciente. Alguns desses sinais são:

  • Dores nas articulações, principalmente por mais de seis semanas.
  • Vermelhidão, calor e inchaço nas articulações.
  • Dificuldade para movimentar as articulações ao acordar.
  • Dores ao esticar os braços sobre a cabeça.
  • Dores ao elevar os ombros até tocar o pescoço.
As doenças reumatológicas podem ter longa duração, causando ansiedade e depressão em alguns pacientes, e exigir também o tratamento com medicamentos antidepressivos, ansiolíticos e a realização de práticas integrativas, como acupuntura.

A principal função da fisioterapia é prevenir e tratar os distúrbios de movimento decorrentes de alterações de órgãos ou sistemas. Sendo assim, a fisioterapia utiliza se de exercícios para preservar, manter, desenvolver ou reabilitar algumas funções.

A fisioterapia é umas das formas de tratamento para o reumatismo que se utiliza de aparelhos e métodos como: bolsas de água morna e fria, exercícios com o objetivo de recuperar a mobilidade das juntas e articulações, sendo seu principal foco combate a dor. Além desses métodos, outros como: Hidroterapia, hidroginástica e natação são excelentes ferramentas no combate e prevenção a reumatismo.

Pessoas que são fisicamente ativas, são mais saudáveis e vivem por mais tempo, quando comparadas àquelas inativas. Isto é verdade para todos, mas especialmente para aquelas com reumatismo. Os benefícios do exercício físico é bastante conhecido de todos, mas existem alguns que se mostraram extremamente importantes para os pacientes reumáticos. A artrite é uma das maiores causas de limitação da atividade física e, a inatividade pode piorar a doença, criando um círculo vicioso, que vai complicando cada vez mais o quadro, dificultando a melhora. Muitas das pessoas que têm artrite estão "fora de forma", são mais "fracas", com menos flexibilidade, sentindo mais dor que o necessário, devido principalmente às "complicações" da inatividade. Dor, rigidez, fadiga e o medo de piorar, podem fazer com que o paciente reaja contra o exercício. No entanto, para o reumático, um programa de exercício apropriado é extremamente importante e saudável.

Objetivo da fisioterapia reumatologica é minimizar dores e incapacidades geradas por tais patologias através da utilização de recursos eletroanalgésicos, da aplicação de técnicas de terapia manual e de atividades que estimulem a movimentação articular fortalecendo e alongando os músculos envolvidos buscando assim prevenir a instalação de deformidades, bem como evitar a progressão de deformidades já instaladas, buscando sempre manter uma boa qualidade de vida

0 comentários:

Os pés têm uma estrutura complexa, composta de 26 ossos, mais de 30 articulações e vários músculos, tendões, ligamentos e nervos. Ele  é...

Fisioterapia na Artrose e Artrite dos dedos do pé




Os pés têm uma estrutura complexa, composta de 26 ossos, mais de 30 articulações e vários músculos, tendões, ligamentos e nervos. Ele  é dividido em três regiões: o retropé (parte de trás do pé - tornozelo) composto pelo osso do calcanhar e pelo astrágalo; o mediopé (região do pé mais próxima ao tornozelo) composto pelos ossos navicular, cubóide e cuneiformes; e o antepé (parte mais distal do pé, onde se encontram os dedos) composto pelos metatarsos e falanges.

A maioria dos pés possuem uma forma de arco, que distribui o peso do corpo entre os vários ossos e articulações. Os pés com um arco mais baixo tendem a ser mais flexíveis, enquanto aqueles com um arco mais alto são menos flexíveis. Arcos mais altos ou mais baixos não necessariamente são um problema, mas eles podem aumentar a sua chance de desenvolver problemas nos pés ao longo do tempo.

As principais causas de dor nos pés são:
  • Artrite e artrose
  • Dor nos tecidos moles
  • Lesão nos nervos
  • Problemas de circulação
  • Calçados inadequados
  • Doenças sistêmicas

Artrose

A artrose pode acontecer em qualquer articulação do pé. Ela é uma doença crônica que causa dor e aumento de voluma dos ossos. Com o envelhecimento, a artrose pode causar alterações na forma dos pés, levando à dor.
A artrose pode afetar o dedão do pé, deixando a articulação mais rígida e com menor movimento. Os ossos podem aumentar de tamanho, e você poderá notar um nódulo ao lado da base do dedão, chamado de bunion (popularmente é conhecido como joanete). Quando o nódulo acontece no dedinho do pé, ele é chamado de bunionette.
A artrose pode acontecer na área do arco do pé, e também no tornozelo, mas esta última geralmente acontece depois de um trauma ou de uma artrite do tornozelo.

Artrite
 
Vários tipos de artrite podem afetar os pés de diferentes formas.
  • Artrite reumatoide: afeta várias articulações dos pés
  • Artrite reativa: geralmente afeta o tornozelo e ao redor do calcanhar. Pode causar inchaço dos dedos dos pés (dactilite)
  • Artrite psoriásica: Pode causar inchaço dos dedos dos pés (dactilite)
  • Gota: afeta mais frequentemente o dedão do pé (podagra)
  • Espondilite anquilosante: afeta principalmente a coluna, mas também pode inflamar a região do calcanhar.
As artrites não só causam inflamação nas articulações, mas também nos tendões e nos tecidos moles dos pés. Quando esta inflamação ocorre na região onde os tendões se inserem nos ossos, chamamos de Entesite, e um local comum de isso acontecer é na parte de trás do calcanhar (tendão de aquiles). A dactilite (dedo em salsicha) causa dor e inchaço nos dedos do pé, e está associada com a artrite reativa e psoriásica.

A gota é uma das artrites mais dolorosas que existe e é causada pela formação de cristais na articulação. Ela frequentemente afeta o pé, e o dedão do pé é a articulação mais acometida, podendo ficar avermelhada, quente e inchada durante uma crise, que dura cerca de uma a duas semanas. Se não tratada, a gota pode causar sequelas nos pés.

A atuação da Fisioterapia

tratamento da artrose do pé passa por uma avaliação criteriosa do estágio da doença, da sua evolução e das possíveis deformidades associadas. Podem instituir-se mudança de hábitos, adaptação da atividade física, uso de medicamentos, sessões de fisioterapia, uso de palmilhas ou ortóteses.

As sessões de fisioterapia têm o objetivo de reduzir a dor e a inflamação É necessário que se faça exercícios que fortaleçam os músculos ao redor da articulação e aumentam a amplitude de movimentos do paciente, ajudando na redução da dor.


0 comentários:

A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune, crônica, idiopática e inflamatória que atinge simetricamente os tecidos, órgãos e, princip...

Fisioterapia na Artrite Reumatoide




A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune, crônica, idiopática e inflamatória que atinge simetricamente os tecidos, órgãos e, principalmente, as articulações periféricas1. Sua prevalência, a nível mundial, permeia entre 0,5 e 1%, similar à literatura brasileira, podendo ocorrer em todos os grupos étnicos. Acomete, especialmente, o sexo feminino na faixa etária entre 20 e 60 anos de idad.

As principais características da AR são a inflamação sinovial crônica e a presença de nódulos reumatoides palpáveis ao exame físico, condições essas que implicam no edema articular simétrico, na erosão óssea e na destruição da cartilagem articular

As condições físicas apresentadas implicam na necessidade do desenvolvimento de estratégias para o tratamento da AR. Atualmente, diversos métodos possibilitam um manuseio satisfatório da doença. Dentre estes a fisioterapia, especialmente a cinesioterapia, torna-se uma estratégia benéfica e viável, com objetivo de aliviar a dor e combater os processos inflamatórios, para permitir restaurar a amplitude de movimento articular e a atividade muscular, prevenir a instalação de novas deformidades, promover o bem-estar físico, psíquico e social e, consequentemente, melhorar a QV dos pacientes.

O uso de recursos Fisioterapêutico como a cinesioterapia, o TENS, os exercícios de coordenação e equilíbrio e reeducação da marcha, dentre outros meios são de fundamental importância para a manutenção ou aumento da força muscular, da amplitude de movimento articular, da redução de edemas, da manutenção do equilíbrio e da redução da dor, concordando com os objetivos da conduta fisioterapêutica.

Por meio de exercícios físicos e manobras específicas consegue-se obter a manutenção e a melhora das funções cardiorrespiratórias e musculares. A fisioterapia visa sempre a melhora da funcionalidade dos pacientes minimizando os sintomas que a doença possa apresentar.

Propõem que os exercícios de força e a resistência, com exercícios aeróbicos de baixo impacto. Incluindo também exercícios de fortalecimento isotônico, isométrico das musculaturas adjacentes as grandes articulações e manutenção da amplitude de movimento.

Além de restaurar o equilíbrio osteomuscular, a fisioterapia favorece a manutenção do condicionamento cardiorrespiratório, a prevenção de osteoporose e fraturas, manutenção do equilíbrio e da marcha,favorecendo assim, uma boa qualidade de vida ao indivíduo.


0 comentários:

A fibromialgia é uma síndrome de causas ainda desconhecidas. Mas, que pode provocar dores fortes por todo o corpo durante muito tempo ou sen...

Fisioterapia e Exercícios Físicos para quem tem Fibromialgia




A fibromialgia é uma síndrome de causas ainda desconhecidas. Mas, que pode provocar dores fortes por todo o corpo durante muito tempo ou sensibilidade nas articulações, nos músculos e nos tendões. Isso acontece devido uma alteração da interpretação dos estímulos recebidos pelo cérebro e também pelos receptores cutâneos.

O diagnóstico da fibromialgia é dado com base em critérios adotados pelo Colégio Americano de Reumatologia (ACR), que consideram a presença de dor difusa com duração maior que três meses, localizadas nos quatro quadrantes do corpo, dor à palpação em no mínimo 11 dos 18 tender points. Padronizou-se também a pressão desta palpação, que deve ser de 4 kg/cm2.

Por ser silenciosa, não detectável em exames laboratoriais e não causar qualquer transformação externa na pessoa, muitas vezes a fibromialgia é vista como um transtorno apenas psicológico. Como boa parte dos pacientes sofre muito porque tem dor crônica, eles acabam sendo imputados como doentes psicológicos, o que não é verdade. Eles sentem dor mesmo.

E é aí que a Fisioterapia pode ajudar efetivamente. A fisioterapia atua no sentido de diminuir os sintomas, melhorando o controle da dor e manutenção ou melhora das habilidades funcionais dos pacientes. Além disso, outra meta da fisioterapia deve ser o papel educativo, para que os ganhos da intervenção possam permanecer em longo prazo e os pacientes consigam se tornar menos dependentes dos cuidados de saúde. Incentivam-se estilos de vida mais participativos e funcionais que contribuam no restabelecimento físico e emocional do paciente.

O exercício é uma parte integral da terapia física na Fibromilagia. Estudos recentes indicam que o exercício aeróbico, na intensidade adequada para um indivíduo, pode melhorar a função, os sintomas e o bem estar. O mecanismo responsável pelos efeitos analgésicos ainda não está claro, mas estudos mostram que atividade física aeróbica acarreta consistente ativação do sistema opioide endógeno que, por sua vez, ocasiona aumento no limiar de dor e sua tolerância, resultando numa resposta analgésica. Outra contribuição da atividade física na diminuição da dor está relacionada com a quebra do ciclo vicioso: dor – imobilidade – dor, que proporciona ao paciente encorajamento para retornar as atividades diárias.

Sem dúvida praticar exercícios físicos é a intervenção mais importante e mais efetiva que a literatura mostrou no tratamento da fibromialgia. É importante e efetiva porque o exercício físico diminui a dor, melhora a depressão, a ansiedade, o sono e a fadiga, que são componentes importantíssimos da fibromialgia

O curso sobre Fibromialgia  tem como objetivo oferecer um conteúdo por meio da educação a distância, a conhecimento do participante a história, sintomatologia, incidência, possíveis causas, questões genéticas, mitos e verdades, condições clínicas, prognóstico. Você conhecerá como acontece na prática um Grupo de Educação do Paciente com todas as informações e estratégias educacionais, ou seja caso você seja um profissional terá o conteúdo neste formato sendo mais uma ferramenta de atuação para com seus pacientes. Clique aqui e saiba mais!

0 comentários:

Faça Fisioterapia